Praça

Foto: Cedida

Por Cláudio Brito (*)

O tempo passa,
O menino é homem,
A menina, mulher,
Lá continua a praça
Esperando quem vier.
O tempo passa,
O sol que queima de dia,
Tá lá na praça,
Esperando quem vier.
O tempo passa,
A lua que ilumina na noite,
Tá lá na praça,
Esperando quem vier,
O Tempo passa,
Lá estão o moço e a mocinha,
Pra escola, da escola,
Lá vão, lá vêm,
lá pela praça,
Esperando quem vier.
O tempo passa,
Lá estão o senhor, a senhora,
Esperando ali a hora,
Na banca do tacacá,
Na praça, dizendo: vem cá,
Esperando quem vier.
O tempo passa,
Lá está o tocador,
Com sua voz e violão,
Lá no coreto da praça,
Com pequena multidão,
Levando pra alma emoção
Esperando quem vier.
O tempo passa,
Lá está a livraria,
Gibi, notícia, poesia,
Lá pela praça,
Esperando quem vier.
Na praça sempre andaram
Todo tipo de emoção
Da minha e da tua juventude,
Onde olhávamos amiúde,
Em busca de algo encontrar.
Agora, sentimos saudades,
Mas a praça ainda está lá,
Com minhas e tuas lembranças.
A praça ainda é o caminho
A praça ainda é bom lugar
Vamos, então, à praça,
Pois sabemos, ela está
Esperando quem vier.

(*) Cláudio Brito é um professor que pensa a educação como “o mais belo e melhor dos faróis”. É membro da SLA

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *