Geral

    Sistema Fecomércio/AC comenta participação de presidente da CNC na TV Câmara

    Programa debateu o tema covid-19: situação das micro e pequenas empresas; segundo assessor do Sistema Fecomércio/AC, estas são as que possuem menor capital de giro

    Em entrevista ao programa Expressão Nacional, da TV Câmara, na segunda-feira, 22, o presidente da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), José Roberto Tadros, afirmou que micro e pequenos empresários precisam de tratamento diferenciado por parte dos governos federal, estaduais e municipais.  O assessor técnico do Sistema Fecomércio-Sesc-Senac/AC, Egídio Garó, comentou na última quinta-feira, 25, o assunto e relembrou que as empresas citadas por Tadros são as que possuem menos capital de giro.

    O programa debateu o tema covid-19: situação das micro e pequenas empresas, e teve a participação de Guilherme Afif Domingos, assessor especial do Ministério da Economia, e dos deputados federais Efraim Filho (DEM-PB) e Alexis Fonteyne (NOVO-SP). De acordo com Tadros, as micro e pequenas empresas precisam ser estimuladas, já que são fundamentais para a economia.  Além disso, no seu entender, deve-se levar em conta as diferenças regionais, econômicas e culturais, que são significativas em um País de dimensões continentais, como é o Brasil.

    Garó complementou que as micro e pequenas empresas teriam as maiores tendências em não cumprir com os compromissos fiscais e tributários justamente por serem as mais afetadas pelo momento vivido. “Contudo, alguns tributos tiveram prorrogação do prazo de pagamento como: PIS/COFINS do mês de maio, que foi prorrogado para outubro; INSS patronal, da mesma forma; parcelamentos administrados pela Secretaria da Receita Federal e pela Procuradoria Geral da Fazenda Nacional, sendo que as parcelas de maio, junho e junho passam a ter vencimento em agosto, outubro e dezembro e; o Simples Nacional, cujas parcelas de maio, junho e junho passam a vencer em agosto, outubro e dezembro”, disse.

    Garó relembrou que outras medidas deverão ser adotadas, tanto na esfera federal quanto estadual. “No sentido de permitir a manutenção das atividades, ainda imprecisas em momento de retomada econômica”

    Ao longo do programa, o presidente da CNC ressaltou que a pandemia gerada pelo novo coronavírus apenas precipitou uma derrocada econômica que já vinha se delineando há alguns anos. “Desde a crise que o País viveu a partir do impasse que culminou com a queda da então presidente Dilma Rousseff.” As principais vítimas, enfatizou, como quase sempre, foram os pequenos negócios. Ao falar da importância do segmento para a economia, lembrou que as micros e pequenas empresas são genuinamente nacionais e agregam a família dentro do seu núcleo corporativo: “Isso, por um lado, reduz significativamente a pressão no mercado de emprego”.

    Paralelamente, relatou que a CNC vem atuando para que os tributos e o crédito – particularmente o custo do dinheiro – para o micro e o pequeno empresário sejam vistos com olhar diferenciado em relação aos grandes negócios. “Diante da atual realidade, são pertinentes todas as medidas em favor desse segmento empresarial’, acentuou.

    Image
    Image
    Image

    logo news2