Geral

    A força das mulheres pescadoras do Juruá

    “Desde que me entendo por gente.” Essa é a resposta mais comum quando uma pescadora artesanal da bacia hidrográfica do rio Juruá é questionada sobre sua relação com um dos ofícios mais antigos da humanidade. Nos confins amazônico, a pesca é uma prática que vem sendo passada de geração em geração, mantendo os costumes dos antepassados e aperfeiçoando-os com o avanço da tecnologia.

    A profissão, tradicionalmente dominada por homens, tem uma parcela significativa da presença feminina entre os associados da Colônia de Pescadores de Cruzeiro do Sul. Entre os seus 1,5 mil membros, 40% são mulheres. E, desse montante, cerca de 300 delas pegam suas embarcações e vão em busca do pescado que lhes garante o sustento do dia a dia.

    É o caso de Tatiana do Carmo Queiroz. A mulher de 39 anos de idade herdou a profissão da mãe. Seja sob o forte calor do sol ou durante a escuridão da noite, a disposição para pegar peixes é a mesma. Se bem que nos últimos dias, os cardumes praticamente desapareceram das águas turvas do Juruá, o quinto maior curso d’água do Brasil.

    Tatiana Fotos Marcos Vicentti 195Tatiana do Carmo Queiroz herdou da mãe a profissão de pescadora Foto: Marcos Vicentti/Secom

    “O que eu gosto mesmo de fazer é pescar. Não importa onde o peixe está, eu estou indo atrás. E comigo não tem hora. Onde tem peixe, de dia ou de noite, eu estou dentro do rio. Já passei três semanas longe de casa trabalhando. Quando me junto com outras parceiras, a gente desce esse rio e voltamos com o barco lotado de peixe”, conta.

    Uma dessas empreitadas Tatiana não esquece jamais. Em apenas um dia, chegou a faturar R$ 1 mil. Ela assegura que essa história não é de pescadora. “Eu e outra colega pescadora tivemos a sorte de pegar tanto peixe que quase não demos conta. Mas, no final, acabou tudo dando certo e a gente rachou meio a meio a venda que fizemos”, lembra.

    DJI 0564A profissão, tradicionalmente dominada por homens, tem uma parcela significativa da presença feminina entre os associados da Colônia de Pescadores de Cruzeiro do Sul Foto: Pedro Devani/Secom

    Muitas vezes, ela trabalha sozinha. É a própria Tatiana que conduz o pequeno barco e lança sua rede nas águas quase que atravessando as duas margens do Juruá. Uma tarefa que nem todos encaram devido à dificuldade na execução simultânea dos procedimentos. Mesmo assim, a pescadora diz que sofre preconceito por parte de homens que exercem a profissão. Quando isso acontece, ela sabe muito bem como sair deste tipo de situação.

    “Como sou bastante conhecida, a maioria me respeita. Mas ainda tem aqueles que ficam desconfiados. Nesse caso, eu já vou logo falando que eu sou muito mais mulher do que ele, que é homem e não consegue fazer o que eu faço. Eu faço praticamente tudo, enquanto muitos deles não conseguem”, enfatizou.

    Atualmente, a tecnologia é uma grande aliada da pescadora. Com um simples telefonema ou envio de mensagens, é possível fazer a troca de informações em relação aos pontos onde há maior concentração das 86 espécies de peixes catalogadas no rio Juruá. “Agora ficou bem mais fácil. Onde tem sinal de celular, a gente vai se falando dos lugares onde tem peixe ou onde os cardumes estão passando. Isso nos ajuda muito por aqui”, argumentou.

    A mulher que há 58 anos é pescadora no rio Juruá

    No alto dos seus 65 anos de idade, Leuda de Araújo é mais uma brava pescadora do Juruá. Ela aprendeu o ofício ao lado de uma das pessoas que mais amou na vida. As lembranças de como tudo começou ainda continuam vivas na memória.

    Leuda Fotos Marcos Vicentti 202Leuda de Araújo é mais uma brava pescadora do Juruá Foto: Marcos Vicentti/Secom

    “Eu aprendi com minha mãe quando eu tinha sete anos de idade. Lembro que a gente pegava muito peixe e não me esqueço das esporadas que os mandins me davam. Eu gosto demais de ser pescadora. Esse foi o modo que os meus pais me criaram e eu gosto muito. Se eu pudesse, eu vinha todo dia. É um trabalho de muita paciência e difícil, também. A gente sofre muito por essas beiras de rio, mas é um sofrimento que a gente gosta”, relata.

    Experiência é o que não falta no currículo dela. Afinal, são 58 anos pescando as mais diversas espécies de peixes e enfrentando todos os tipos de adversidades nos rios, igarapés e lagos na região do Juruá. Todo esse esforço tem um motivo: garantir o sustento da família. “Criamos meus cinco filhos só da pesca e, agora, estamos criando os meus netos”, conta.

    Leuda e DaviLeuda e o marido Davi Lopes, quem apoia a profissão da mulher há 42 anos Foto: Marcos Vicentti/Secom

    Quem acompanha boa parte dessa trajetória é Davi Lopes. Casados há 42 anos, os dois têm muitas histórias para contar por tudo que viveram e ainda vivem juntos. O marido afirma que não é qualquer homem que tem a sorte grande de encontrar uma esposa aguerrida e que não foge do trabalho. “A gente nunca teve emprego fixo e é muito bom poder contar com uma companheira assim. Trabalha de dia e de noite, sem reclamar do serviço. É cuidadosa comigo e com os filhos. Quero dizer que ela dá conta do recado e boto fé nela”, disse ele.

    Por enquanto, parar de pescar não está nos planos dela. Quando perguntada sobre o dia em que pretende se aposentar, Leuda é categórica: “Eu só vou parar de pescar quando eu não aguentar mais. Esse é um lugar que eu me sinto muito bem. Toda vida eu gostei disso aqui e, acredita, quando eu fico uns dois ou três dias em casa parece que eu adoeço, sabe? Eu adoeço e fico ruim. Aí, quando eu venho para a beira do rio eu não sinto nada, nada e fico uma pessoa tão sadia…”, declara.

    Elinete, a segunda mulher a presidir a maior Colônia de Pescadores do Acre

    A atual presidente da Colônia de Pescadores de Cruzeiro do Sul assumiu o cargo este ano e já fez história. Desde a sua criação, há 43 anos, Elinete de Souza é a segunda mulher a comandar o maior sindicato de pescadores do Acre. Além de representar a ala feminina, ela tem a missão de dar continuidade às conquistas adquiridas pela categoria e administrar a entidade em meio à pandemia de Covid-19.

    Elinete Fotos Marcos Vicentti 197Elinete de Souza é a segunda mulher a comandar o maior sindicato de pescadores do Acre Foto: Marcos Vicentti/Secom

    “Tenho orgulho não só de mim, mas também das outras mulheres pescadoras. Hoje, estou à frente da colônia representando todas elas e isso é uma grande responsabilidade. Tenho procurado fazer o meu melhor porque eu conheço a realidade e sei o quanto elas e todos os associados precisam da nossa ajuda”, pontua.

    A representatividade feminina é uma das marcas da atual diretoria da Colônia de Pescadores de Cruzeiro do Sul. Dos 12 cargos de diretoria, 5 são ocupados por mulheres, que têm direito de voz e voto na discussão dos assuntos mais importantes do sindicato.

    Governo ajuda pescadores do Vale do Juruá com distribuição de cestas básicas

    Com a pandemia do novo coronavírus, a atividade pesqueira foi fortemente afetada na segunda região mais populosa do estado. Uma barreira sanitária montada no município amazonense de Guajará impede a passagem dos pescadores do Acre para o estado vizinho. Devido a fatores naturais, como a maior quantidade de afluentes e lagos, o local possui maior concentração de peixes.

    cestas Fotos Marcos Vicentti 172Governo do Estado realizou a entrega de 100 cestas básicas para as Colônias de Pescadores de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter e Rodrigues Alves Foto: Marcos Vicentti/Secom

    Para amenizar o sofrimento vivenciado pelas famílias, o governo estadual realizou a entrega de 100 cestas básicas para as Colônias de Pescadores de Cruzeiro do Sul, Mâncio Lima, Marechal Thaumaturgo, Porto Walter e Rodrigues Alves.

    Os alimentos de primeira necessidade foram arrecadados durante a transmissão da Live Solidária, promovida pelo governo no dia 30 de maio. A principal prioridade é que esses sacolões cheguem até as pessoas que mais estão precisando.

    “Temos visto, constantemente, a preocupação do nosso governador e da primeira-dama para que esta ajuda chegue às famílias mais necessitadas e assim temos procurado fazer”, explicou a coordenadora da Secretaria de Estado Assistência Social, Direitos Humanos e de Políticas Públicas para as Mulheres (SEASDHM) no Juruá, Milca Santos. 

    Ao receber as cestas básicas, o presidente da Colônia de Pescadores de Rodrigues Alves, José Gomes de Lima, não segurou a emoção. “Bigode”, como é mais conhecido, enfatizou que a ajuda chegou em boa hora e fez questão de agradecer o governador Gladson Cameli.

    “Essas cestas são uma bênção. A maioria desses pescadores está passando crise por causa da situação que estamos enfrentando. Quero dizer que estou bastante emocionado e só tenho a agradecer a Deus, em primeiro lugar, e ao nosso governador por estar ajudando este povo carente e sofrido”, relatou.

    cestas Fotos Marcos Vicentti 174

    Agência de Notícias do Acre

    Image
    Image

    logo news2