Geral

    Dor de dente em crianças: conheça as principais causas e saiba como tratar

    Quando o assunto é a saúde bucal, o Brasil mostra ser um país de extremos. Números da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) mostram um crescimento de 25% na adesão a planos de saúde odontológico, alcançando 24 milhões de brasileiros beneficiados por cuidados com a saúde bucal e procedimentos de estética dental. É o maior número registrado desde 2014.

    Em contrapartida, segundo dados da mais recente Pesquisa Nacional de Saúde Bucal, realizada pelo ministério da Saúde em 2010 e divulgada em 2012, 24,6% das crianças avaliadas no estudo tiveram episódios de dor de dente. Os jovens também relataram o problema, chegando 24,7% dos jovens entre 15 e 20 anos de idade.

    Apesar das dores de dentes terem causas muito similares entre adultos e crianças, algumas particularidades podem interferir e causar o surgimento deste desconforto nos pequeninos.

    O que afeta a saúde bucal das crianças?

    A dor de dente nas crianças e adolescentes pode ter causas muito parecidas do que a dos nos adultos, mas existem outras condições particulares à infância que podem agravar essas condições.

    Além do surgimento das cáries e das doenças da gengiva (como a gengivite e periodontite), que podem ser evitadas com uma rotina de higienização bucal adequada, há ainda outros riscos.

    Problemas de encaixe das articulações da arcada dentária, também conhecida como mordida cruzada, podem prejudicar o funcionamento das articulações da mandíbula e causar dores. Por isso é importante ficar atento ao posicionamento dos dentes desde seu nascimento e, quando necessário, providenciar o tratamento ortodôntico para corrigir essas falhas e também o mau posicionamento dos dentes,

    Há também outro fator de risco para a saúde bucal das crianças: os traumas acidentais. Cheias de energia, curiosidade e nenhum medo de se machucar, as crianças estão constantemente expostas a tombos, quedas ou acidentes que podem trincar ou fraturar um ou mais dentes. Em caso de queda e impacto na região bucal, mesmo com danos não visíveis, é necessário levar a criança ao dentista para avaliar verificar as condições da raiz dentária.

    Caso não haja nenhum sinal visível de trauma, cárie ou outros problemas que prejudiquem a integridade dos dentes, tecidos moles, gengivas e raiz dentária, há ainda a possibilidade de que a criança possa sofrer inflamações e sensibilidade provenientes de outras causas, como uma sinusite que pode irradiar a inflamação e as dores para os dentes superiores.

    Como prevenir a dor de dente nas crianças?

    A maioria dos problemas dentais e das gengivas podem ser facilmente evitados com uma rotina de higiene bucal adequada e bons costumes alimentares. Mesmo que seja difícil fazer os pequeninos escovarem os dentes com cuidado e tentar livrá-los de um bombardeio de guloseimas, os bons hábitos desenvolvidos na infância vão perdurar e refletir na qualidade de vida quando eles estiverem adultos. Por isso:

    - Muita atenção à higiene oral. Quando as crianças são pequenas, é responsabilidade dos pais ou responsáveis ficar de olho na rotina de escovação e cuidados com a saúde bucal. Os dentes devem ser escovados sempre ao acordar, antes de dormir e após as refeições ou mamadeiras.

    - Não descuidar do fio dental e enxaguante. Além da escovação, esses cuidados diários são fundamentais para alcançar os menores espaços entre os dentes e as gengivas e remover por completo o biofilme bacteriológico, popularmente conhecido como placa bacteriana. Ela é a maior responsável pela inflamação nas gengivas, mau hálito, exposição das raízes dos dentes, e causam danos nos tecidos que sustentam os dentes e ainda podem penetrar na corrente sanguínea e causar outras doenças sérias.

    - Introduzir frutas, legumes e outros vegetais fibrosos e crus no cardápio da criança. Alimentos ricos em fibras naturais ajudam na salivação e limpeza natural dos dentes.

    - Evite ao máximo que a criança consuma refrigerantes, bebidas açucaradas e doces em excesso. O açúcar desses alimentos e bebidas tornam o ambiente oral cada vez mais ácido, atacando o esmalte dos dentes. Uma vez desprotegidos de sua barreira protetora natural, os dentes ficam muito mais vulneráveis às cáries e bactérias.

    - Levar a criança ao dentista a cada seis meses. As consultas de rotina são importantes para a aplicação de flúor, limpeza da placa e também para a detecção de problemas dentais e gengivais que podem ser verificados precocemente e tratados com mais facilidade e menos dor.

    Tratamentos

    Quando perceber que a criança está manifestando sintomas de dor de dente, o primeiro passo é levá-la ao dentista ou pediatra o quanto antes.

    Só um profissional da sáude é capaz de avaliar qual é a causa da dor para indicar o tratamento e medicamentos mais adequados para cada caso.

    Evite a automedicação e procure atendimento o quanto antes. Responda a todas as perguntas do médico ou dentista com atenção e sinceridade, pois muitas vezes as crianças não conseguem expressar ao certo como estão se sentindo ou descrever seus sintomas com palavras. Fique atento a qualquer relato ou reclamação dos pequenos.

    Image
    Image