Documentos mostram que Jéssica Sales pode ter enganado o TRE para conseguir registro de candidatura

Foto: Divulgação

Por Leandro Altheman

A deputada federal Jessica Sales (MDB) apresentou à justiça eleitoral um atestado médico para justificar o fato de não ter feito o seu cadastramento biométrico. A falta de cadastro implicou no cancelamento do seu título eleitoral, o que consequentemente impediria o seu registro como candidata.

Para reverter a questão ao seu favor e conseguir o registro de candidatura, a deputada entrou com requerimento de quitação eleitoral com base no atestado médico alegando afastamento de 30 dias por determinação médica após complicação cirúrgica no dia 14/08, e que por essa razão não poderia comparecer à 4° Zona Eleitoral (região do Juruá) para recadastramento.

Comprovante que Jéssica votou na sessão do dia 14

O atestado cita febre, edema e dificuldades de caminhar. Contudo, a deputada esteve no plenário para votar no mesmo dia do atestado (14/08), a votação ocorreu às 21 horas, o mesmo se repetindo nos dias 15 e 16.

Material retirado das redes sociais da deputada e do Portal da Câmara dos Deputados comprovam que a mesma esteve também viajando pelos municípios do Juruá no período alegado como de afastamento, cumprindo extensa agenda política com o então pré-candidato ao senado Márcio Bittar.

Comprovantes de viagens de Jéssica durante o período do atestado

Segundo o atestado, a mesma teria feito uma cirurgia de retirada de abcesso no dia 14/08 no Hospital Maria Auxiliadora, no município de Gama, região metropolitana do Distrito Federal.

As postagens referentes ao período foram apagadas por Jéssica, contudo, como o site Juruá em Tempo já investigava o mau uso de verba parlamentar para campanha extemporânea de Márcio Bittar, tinha as postagens arquivadas.

Publicações apagadas por Jéssica em seu Facebook

No Portal da Câmara dos Deputados consta que foram emitidos dois bilhetes aéreos de ida e volta para a deputada referente aos dias 18/08 e 22/08 referentes aos trechos Brasília-Manaus-Cruzeiro do Sul, dentro, portanto, do período alegado. Uma postagem datada de 10 de setembro informa, através da própria deputada, que a mesma cumpriu agenda no vale do Juruá no período do atestado.

Outra postagem, na rede social de Márcio Bittar informa o comparecimento da deputada em evento de filiação ao MDB no dia 02 de setembro.

Resposta do advogado Jonathan Donadoni

O site Juruá em Tempo entrou em contato com o advogado do MDB Jonathan Donadoni a fim de obter esclarecimentos das discrepâncias entre a data de afastamento no atestado e as viagens da deputada.

Jonathan respondeu que a data do atestado teria sido apenas um prognóstico concedido pela médica sobre a data possível para restabelecimento e que na ocasião, a justiça eleitoral teria sido informada de que a mesma não estava totalmente inabilitada, mas que a mesma fora dispensada pela justiça eleitoral de fazer o recadastramento.

Tal pai, tal filha

Caso consiga manter o seu registro de candidatura até o dia das eleições, Jessica Sales irá repetir a proeza de seu pai Vagner Sales, o ‘ficha suja’ que, por descuido da justiça obteve seu registro mesmo após condenação em segunda instância. Por enigmáticas razões, o judiciário em primeira instância continua favorecendo os Sales.

Juruá em Tempo