Rosa diploma Bolsonaro com defesa contundente de minorias e direitos humanos

Foto: Reprodução

Helena Chagas

Roubar a festa de um presidente da República eleito na cerimônia de sua diplomação é missão impossível, mas a presidente do TSE, Rosa Weber, esteve mais perto disso do que qualquer de seus antecessores ao diplomar Jair Bolsonaro com um forte discurso em defesa da democracia, dos direitos humanos e do respeito às minorias. Bolsonaro fez um discurso moderado, meio protocolar, dentro do que se esperava dele, com destaque ao aceno à união nacional e à garantia das transformações feitas pelo voto popular, processo que disse ser “irreversível’.

Já Rosa Weber, que diferentemente do que ocorreu em outras diplomações, falou depois do presidente diplomado, foi firme e contundente. Aproveitando os 70 anos de aniversário da Declaração dos Direitos Humanos, alertou que a vontade das maiorias não pode suprimir os direitos dos grupos minoritários, que não podem ser ameaçados “por instâncias de poder mais influentes em determinados momentos históricos”.

A presidente do TSE não citou nomes nem fatos específicos, mas não deixou margem a dúvidas de que o principal destinatário de seu recado estava sentado a seu lado na mesa que presidiu a sessão de diplomação – Bolsonaro, chefe de um governo que não demonstra grande apreço pelo tema dos Direitos Humanos. Weber fez questão de deixar claro ainda que o Poder ao qual pertence está vigilante: “a garantia à estabilidade dos direitos essenciais é uma das funções mais relevantes e irrenunciáveis do Poder Judiciário”.

Bolsonaro, bastante emocionado com a ocasião, não pareceu se importar muito com as advertências. Viveu seu momento de glória máxima.

Jornalista

Fonte: https://osdivergentes.com.br