Prefeito de Senador Guiomard pagava ‘mensalinho’ para vereadores, diz PF

André Maia foi preso suspeito de desviar verbas públicas e fraudar licitações com superfaturamentos de cerca de R$ 5 milhões – Foto: Arquivo pessoal

O prefeito de Senador Guiomard, no interior do Acre, André Maia, preso na manhã desta quinta-feira (13) na Operação Sarcófago da Polícia Federal, pagava “mensalinho” para seis vereadores da cidade. De acordo com a polícia, o pagamento, no valor de R$ 3 mil, era para garantir apoio político na Câmara de Vereadores.

O G1 entrou em contato com o advogado do prefeito, Alessandro Callil, mas até a publicação desta reportagem não obteve resposta.

Maia foi preso suspeito de desviar verbas públicas e fraudar licitações com superfaturamentos de cerca de R$ 5 milhões. Nesta quinta, a Polícia Federal cumpriu 25 mandados de busca e apreensão e cinco de prisões preventivas.

A Operação Sarcófago é um desdobramento da Operação Ícaro, que ocorreu em Capixaba em agosto deste ano. Na época, o prefeito da cidade, José Augusto Gomes da Cunha e o secretário de planejamento, Celso Nascimento, foram afastados dos cargos durante as investigações.

Conforme a Polícia Federal, com a evolução das investigações, foi verificado que algumas empresas também operavam no município de Senador Guiomard, e que poderia haver ligação em operações irregulares entre as prefeituras.

A polícia informou que o esquema era baseado na compra de favores envolvendo empresários regionais, funcionários públicos, advogados e vereadores da cidade. Com relação ao valor desviado com fraudes em licitações, a polícia diz que solicitou medidas judiciais para sequestro e bloqueio de bens e valores de R$ 1,2 milhão.

Durante as investigações, também foi constatado o enriquecimento ilícito de funcionários do alto escalão, com existência de bens e transações em nome de “laranjas”.

Polícia Federal cumpriu 25 mandados de busca e apreensão e cinco de prisões preventivas – Foto: Divulgação/PF-AC

Foram cumpridos mandados de busca na prefeitura de Senador Guiomard, na Câmara Municipal, nas residências e empresas dos políticos e empresários envolvidos. De acordo com a polícia, foram apreendidos documentos, mídias e valores.

Segunda fase Operação Ícaro

Além da Operação Sarcófago, a Polícia Federal deflagrou a segunda fase da Operação Ícaro, em Capixaba. Segundo a polícia, ficou comprovado o pagamento de propinas ao prefeito afastado, inclusive uma lancha que ele ganhou de presente de um dos empresários investigados.

Os vereadores investigados de Capixaba também foram beneficiados com o pagamento de despesas médicas para seus familiares em troca de apoio político.

Portal G1/AC