Poronga

    Basta

    Na sessão de quinta-feira (13) da Assembléia Legislativa do Acre, o presidente da Casa, deputado Nicolau Júnior (PP), fez um desabafo sobre a postura de alguns secretários do governo do Estado. O progressista disse que o excesso de ‘ego’ dos gestores tem ultrapassado todos os limites.

    Desconsideração

    “Não poderia deixar de demonstrar a minha insatisfação. Estou muito chateado, eu vejo o compromisso da base do governo. Não posso admitir que secretários e comissionados desrespeite a base do governo”, disse.

    Questão de lógica

    O progressista seguiu afirmando que a base do governo na Aleac segue fiel ao trabalho do governador Gladson Cameli (PP). “A base do governo demonstrou sua fidelidade ano passado e continuaremos seguindo esse caminho. A minha postura vai ser essa, não vai mudar. O meu objetivo sempre foi trabalhar e continuarei dando o meu melhor. Agradeço ainda a independência e a oposição que ajudaram muito neste poder. As nossas diferenças serão tratadas na tribuna. Mas, nós precisamos ser respeitados”, complementou.

    Reconhecimento

    Nicolau Júnior falou ainda do esforço do governador Gladson Cameli para buscar recursos para o Acre. “O governador não tem medido esforços para garantir o desenvolvimento do Estado, a Reforma da Previdência e renegociação da dívida do Estado é um exemplo disso. Vale ressaltar, que esse dinheiro vai também para esses secretários que não atendem ligações e que não respeitam os deputados da base do governo. Esses cargos comissionados que ficam falando mal. Eu cheguei no meu limite. Não vou mais admitir desrespeito com esta casa. Eu sou o presidente da Aleac eleito democraticamente pelos 24 deputados estaduais. A única coisa que eu peço e respeito”, salientou.

    Exemplo

    O deputado elogiou ainda a postura do governador Gladson Cameli. “Quem manda no governo chama-se Gladson Cameli e não os secretários. Acho que ele é a pessoa mais humilde dentro do governo, porque os secretários só têm ego”, afirmou.

    Ação meritória

    O deputado Cadmiel Bomfim (PSDB) manifestou-se sobre a ida de autoridades e políticos acreanos a Pucallpa, no Peru, onde aconteceu o 1° Encontro Empresarial Ucayali-Acre. O parlamentar se mostrou animado com a possibilidade de acordos na área comercial entre os dois países.

    Agenda

    Durante o encontro, que aconteceu nos dias 10 e 11 de fevereiro, foi formalizado o projeto que busca a integração político econômica entre Peru e Acre, através da ligação via terrestre e aérea entre Pucallpa e Cruzeiro do Sul. Também foram realizadas palestras e troca de informações acerca de transporte, tecnologia, turismo, agroindústria, dentre outros.

    Oportunidade negocial

    O parlamentar frisou ainda que o Acre é um grande produtor de carne bovina e pode ser um fornecedor em maior escala para o país vizinho. Destacou também que já existe uma estrada em processo de abertura ligando Mâncio Lima a Pucallpa e vários ramais entre Cruzeiro do Sul e a cidade, o que aumenta as possibilidades a serem exploradas.

    Agenda

    O deputado Edvaldo Magalhães (PCdoB) pediu ao presidente da Assembléia Legislativa do Acre (Aleac), deputado Nicolau Júnior (PP), para que os parlamentares se reunissem e tratassem das pautas de deliberação da Casa. “Estamos encerrando a segunda semana de retomada de trabalhos da Aleac e precisamos entrar a próxima semana com a resolução da nossa pauta de deliberações. Peço, portanto, que passemos a resolver as questões das comissões e os trabalhos que estas irão desenvolver no decorrer do ano”, solicitou.

    Ação louvável

    Edvaldo destacou que muitas matérias parlamentares do ano passado ficaram para ser deliberadas este ano e, portanto, há uma certa urgência no assunto. Disse ainda que o presidente Nicolau Júnior fez uma declaração pública afirmando que chamaria para a Mesa Diretora da Aleac a responsabilidade de criar uma comissão de parlamentares para tratar sobre as questões relacionadas à segurança pública no Estado.

    Encontro

    O deputado Fagner Calegário (PL) voltou a falar da Segurança Pública no transcorrer da semana. O parlamentar informou que esteve reunido com o secretário de Segurança do Estado, coronel Paulo Cézar, para tratar sobre as ações que podem ser realizadas com a Frente Parlamentar da Segurança Pública contra o crime organizado.

    Elencando ações

    “Acabo de vir da secretária de Segurança onde tive uma conversa bastante produtiva com o secretário Paulo Cézar. Na ocasião, falamos sobre as ações que podem ser alinhadas com a Frente Parlamentar da Segurança para combater a violência. O momento é delicado e o que temos que fazer é unir forças para combater o crime organizado”, disse.

    Sugestões

    Calegário protocolou ainda um pedido solicitando do governo do Estado a reabertura da Unidade Prisional 4 (UP4), mais conhecida como Papudinha, em Rio Branco. “A ideia é que a UP4 passe a abrigar os presos que são detidos por crimes de baixo potencial e que atualmente são encaminhados provisoriamente ao presídio Francisco de Oliveira Conde. Dessa forma, nós evitaremos que os mesmos sejam atacados por facções que hoje loteiam o crime prisional do Estado”, explicou.


    Poronga 002 web

    Ótica

    Em artigo publicado em seu site nesta sexta-feira (14), a ex-presidente Dilma Rousseff (PT) analisa a desumanidade revelada nas frases do ministro do ministro da Economia, Paulo Guedes. Para ela, as falas do ministro “traduzem à perfeição a visão e o contexto em que age o neoliberalismo no Brasil”.

    Ultrajante

    “A agenda neoliberal, no plano social, está retratada sem disfarces no recente insulto às empregadas domésticas e aos pobres em geral, na ofensa aos servidores públicos chamados de parasitas, no esforço para cortar a pensão paga aos idosos por meio do BPC, na tentativa de taxar o seguro-desemprego, no projeto de privatizar a previdência social via capitalização, na defesa do AI-5 como forma de reprimir manifestações populares e na confissão do ministro que sintetiza o plano todo: ‘Não olhem para nós procurando o fim da desigualdade social’”, diz trecho do artigo.

    Image
    Image