Poronga

    Ranking

    Manaus é a cidade mais populosa do Amazonas, da Região Norte e de toda a Amazônia Brasileira, com mais de 2,6 milhões de habitantes. Também é a 7 ª cidade mais populosa do Brasil, e sua região metropolitana é a 11 ª mais populosa do país.

    Nossa capital

    Já Rio Branco, de acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), tem 407 319 habitantes, figurando como a sexta cidade mais populosa da Região Norte do Brasil e não está, sequer, na lista das 20 cidades mais populosas do pais.

    Faroeste caboclo

    No mês de janeiro de 2020, as capitais dos estados do Acre (Rio Branco) e Amazonas (Manaus) totalizaram 156 mortes. Manaus registrou 117 e Rio Branco 39 mortes. A guerra entre as facções é apontada como principal causa dos homicídios em Rio Branco e Manaus.

    Manaus registrou 5,45 mortes a cada 100 mil habitantes no mês de janeiro de 2020. Este mês foi considerado o mês mais violento dos últimos cinco anos na capital manauara.

    Vantagem vergonhosa

    Em comparação ao mesmo período do ano passado (janeiro) a capital amazonense contabilizou 44 mortes a mais este ano: 73 mortes em janeiro de 2019, enquanto que em 2020 fechou com 117. Já Rio Branco tem a taxa de 9,57 mortes a cada 100 mil habitantes. É quase o dobro de Manaus, levando-se em conta o percentual de habitantes.

    Tormenta

    O índice de mortes violência aponta que janeiro foi o mês que mais registrou homicídios em Rio Branco, desde 2016. O número superou até mesmo janeiro de 2017, um dos anos mais violentos vivenciados pela capital acreana. Das 47 mortes ocorridas no mês de janeiro deste ano, 39 foram na capital acreana (Rio Branco) e 8 distribuídas pelo interior.

    Palavras ao vento

    Os números expressam o verdadeiro faroeste que o riobranquense e o acreano de uma forma geral, convive. O novo governo que assumiu no início do ano passado, no período eleitoral, identificava a falta de gestão como o principal problema do setor, argumentando que faltava gestão ao sistema, posto que dinheiro não era problema. Prometia, pois, um ‘choque’ de gestão e que colocaria a gerência do cargo sob a responsabilidade de uma emérita autoridade no assunto. O que se vê, e que o problema ao invés de minorar fez foi agravar-se.

    Manobra desastrada

    Para o cumprimento das promessas elencadas na nota anterior, o governador Gladson Cameli (PP), terceirizou de ‘porteira fechada’ a segurança pública para o comando do vice governador Wherles Rocha (PSDB). Ao proceder desta forma, além de refutar a responsabilidade delegada elo voto popular, cometeu o mais comezinho dos erros: politizou o setor.

    Elementar

    O ex-ministro Raul Julgmann, do nefasto governo de Michel Temer, em 2018, instado a se pronunciar sobre o fracasso das políticas de segurança no estado do Rio de Janeiro, foi cirúrgico ao emitir diagnóstico sobre o que acontecia no estado que já foi o Distrito Federal brasileiro: “Não podemos ter nenhuma forma de politização das polícias”.

    Cada qual no seu quadrado

    Segundo Julgmann, as policias devem se estruturar em torno da meritocracia, pois qualquer tipo de interferência política pode prejudicar a estrutura hierárquica e de comando das instituições policiais. A função que deve ser exercida por um técnico ou policial, não pode ser delegada a um cabo eleitoral. Pelo que presenciamos, o governo de Gladson Cameli não seguiu esse elementar princípio.

    Colheita

    O resultado, todos vivenciamos no dia a dia: uma verdadeira guerra, onde o cidadão de bem - a parte indefesa - vive enclausurado atrás de grades, sem que sua integridade física esteja garantida e a bandidagem nas ruas, a ditar ordens no território de todas as cidades do estado.


    Poronga03 1

    Negativa

    A Justiça rejeitou denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o ex-presidente Lula pela invasão do apartamento tríplex no Guarujá, em abril de 2018.

    Fonte

    A decisão foi assinada pela juíza Lisa Taubemblatt, da 6ª Vara Federal de Santos, informa a jornalista Mônica Bergamo, da Folha de S.Paulo.

    Alcance

    A decisão beneficia apenas Lula. Guilherme Boulos e os militantes do MTST Anderson Dalécio Feliciano, Andreia Barbosa da Silva e Ediane Aparecida do Nascimento, também acusados pelo MPF, seguem como corréus da ação.

    Inconclusivo

    “Ainda que a denúncia descreva exatamente como o acusado convocou, instigou e estimulou os corréus a perpetrarem a invasão do “Tríplex do Guarujá”, não vinculou de modo conclusivo, necessário e determinante a conduta individual do agente ao evento delituoso”, diz a decisão.

    Crime impossível

    O imóvel foi invadido em 16 abril de 2018, dias após Lula ter sido preso para iniciar o cumprimento de sua pena no primeiro processo em que foi condenado na Operação Lava Jato.

    No páreo

    Itamar de Sá, o petista que foi o prefeito que mais tempo ficou à frente da prefeitura de Marechal Thaumaturgo, contabilizando três mandatos (1993/1996, 2001/2004 e 2005/2008), pavimenta seu retorno ao posto nas eleições de outubro próximo.

    Estratégia

    Na consecução desse objetivo, Itamar dialoga e busca alianças com partidos de oposição ao atual prefeito Isaac Pyanko( PSD), com quem deve disputar o comando da cidade em outubro deste ano. Nas redes sociais, o ex-prefeito registra cada passo de sua caminhada e ações, angariando grande recepção e respeito por onde passa.

    Pelas tabelas

    Com desgaste e pouca popularidade, Isaac (atual gestor do município) tem feito um mandato abaixo do esperado, o que faz com que os adversários se animem para a disputa deste ano.

    Contendores

    Além de Isaac Pyanko (PSD) e Itamar de Sá (PT), surge especulações acerca de outro terceiro nome na disputa, o empresário Cléber Pedroza, que recentemente sinalizou possibilidades de entrar no páreo, contudo a informação ainda não foi oficialmente anunciada.

    Image
    Image