Política

    Bolsonaro diz que Globo faz "jornalismo sujo" e ameaça: 'não ficará por isso mesmo'

    Em entrevista à TV Record, neste domingo (3), Jair Bolsonaro classificou como "declaração infeliz" a defesa feita pelo filho, o deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de um "novo AI-5".

    "Foi infeliz o garoto", minimizou Bolsonaro se referindo ao filho de 35 anos. Ele disse ainda que o artigo 53 da Constituição, que trata sobre a imunidade, protege o filho parlamentar de qualquer processo judicial ou de cassação de mandato. Posição que já foi contestada pelo presidente do Conselho de Ética da Câmara, deputado Juscelino Filho (DEM-MA). “Não dá para considerar que tudo está protegido pela imunidade parlamentar", afirmou.

    Sobre o caso Marielle, Bolsonaro disse que não configura obstrução da Justiça ter pego as gravações da portaria de seu condomínio.

    “Que obstrução? Qualquer uma dos 150 moradores do condomínio podem pegar”, afirmou ele. “Sou constantemente perseguido", completa.

    Bolsonaro também voltou a atacar a TV Globo e acusar o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, de ser responsável pela citação de seu nome nas investigações do assassinato de Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes. “Witzel tem usado a máquina pública para me perseguir”, disse.

    Segundo ele, a Globo quer "associar ao possível mandante da execução da senhora Marielle Franco".

    "Esse caso não está encerrado. Eu vou até o fim. Não ficará por isso mesmo”, ameaçou Bolsonaro, afirmando que não foi procurado pela emissora para dar seu posicionamento em relação à reportagem quando estava em viagem à Arabia Saudita. “É um jornalismo sujo por parte da TV Globo. Me dá um espaço de 15 minutos ao vivo no Jornal Nacional", diz

    Apesar do tom de ameaça, Bolsonaro quer quinze minutos de espaço na emissora. “É um jornalismo vergonhoso, sem escrúpulos. Desafio vocês a me convidar para falar por quinze minutos sobre esse episódio. Desafio vocês”, disparou.

    Image
    Image