Números

Foto: Cedida

No Acre, este ano, até o início de dezembro, os órgãos de segurança conseguiram elucidar quase 90% das ocorrências registradas no sistema da Secretaria de Segurança Pública.

Comparativo

Para efeito comparativo, neste ano, a Polícia Civil de São Paulo só conseguiu solucionar 4% dos crimes que mais preocupam a população. Sopesando o contingente populacional – é claro –, dos 788.405 homicídios dolosos, estupros, latrocínios, roubos e furtos registrados no estado paulista, de janeiro a outubro, somente 32.150 foram esclarecidos.

Resolutividade

Na capital paulista, apenas 3,6 de cada 100 casos de roubos foram solucionados este ano. O número inclui todos os tipos de roubo registrados em São Paulo: de rua, de veículos, de cargas, a residências, bancos, casas, ônibus, entre outros.

Percentual

Sobre esse delito (roubos), foram 268.939 casos e apenas 9.753 esclarecimentos. Isoladamente, 3% dos roubos de veículos foram solucionados, enquanto o índice foi de 5% para os roubos de cargas. Aparecem com 42% os roubos a banco, que tiveram 21 boletins até outubro.

Sobre nova angular!

Já imaginou o Acre com esse percentual? O governador Tião Viana pode aguardar o julgamento da história. Sem o viés do julgamento político, suas ações na segurança serão reconhecidas, posto termos alcançado – repetimos –, quase 90% na elucidação das ocorrências. Nada como o tempo!

Na Europa Oriental

O senador Jorge Viana integra a comitiva de parlamentares que participam, inda nesta semana, da Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP24), realizada na Polônia.

Agenda

Na condição de relator da Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Congresso Nacional, Jorge participou, no último domingo, 9, de uma reunião da União Interparlamentar (UIP). A entidade reúne congressistas de todo o mundo.

Acordo de Paris

Senadores e deputados dialogam com líderes políticos, ativistas e especialistas presentes no evento, na tentativa de garantir o cumprimento dos compromissos assumidos no Acordo de Paris.

Meio ambiente e saúde

A conferência que começou no dia 2 de dezembro, em Katowice, Polônia, vai até a próxima sexta-feira, 14. Ao longo da última semana foram divulgados estudos que apontam os riscos do aquecimento global para o meio ambiente, para a saúde humana e para o desenvolvimento da economia.

Necessidade

Para Jorge Viana, as pessoas precisam entender a necessidade de se conter o avanço do aquecimento global.

Nó górdio

“A grande discussão deste evento é o que os parlamentos do mundo têm que fazer a partir do acordo sobre o clima. Não é só ratificar o acordo, mas agora todo o aparato de legislação voltado para uma economia de baixo carbono [que diminui o impacto da produção e queima de energia, bem como a emissão de gases do efeito estufa]. Agora, como alcançar isso é o problema. Não pode ser algo que venha só do governo, não pode ser de um segmento da sociedade, tem que ser de todos”, disse o senador.

Reta final

Segundo Jorge Viana, a COP24 tem importância destacada na reta final da implementação definitiva do chamado Acordo de Paris, assinado em 2015 na COP21.

Reforço

O senador do PT do Acre citou relatórios apresentados pela Organização das Nações Unidas (ONU), a reforçarem que as metas de limitar o aumento da temperatura global em até 2 graus Celsius, ou 1,5 graus Celsius, como prevê o Acordo de Paris, só serão alcançadas se os países adotarem de forma urgente medidas que reduzam de forma significativa as emissões de gases de efeito estufa.

Despesas

“Em uma reunião da União Interparlamentar, nós vimos que o gasto com as consequências da mudança do clima chega a US$ 400 bilhões e que o custo de prevenção é bem mais baixo. As Nações Unidas falam que os desastres climáticos estão se multiplicando e que a cada dólar investido em prevenção são economizados sete dólares em reconstrução”, apontou o parlamentar acreano.

Demais integrantes

Além de Jorge Viana, estão na Polônia os senadores João Capiberibe (PSB-AP), Lídice da Mata (PSB-BA), Hélio José (Pros-DF) e Gladson Cameli (PP-AC). Os deputados federais Janete Capiberibe (PSB-AP), Leonardo Monteiro (PT-MG) e Thiago Peixoto (PSD-GO) também participam dos debates.

Dinheiro na mão

A prefeitura de Rio Branco vai pagar o 13º salário dos 7.375 servidores municipais no dia 20 de dezembro, e o salário de dezembro no dia 21. As duas folhas somam R$ 44 milhões.

Aquecimento

“Os recursos injetados na economia local vão aquecer as vendas de final de ano, o que é muito importante para o comércio da capital”, ressaltou a prefeita Socorro Neri (PSB).

Os servidores agradecem

A notícia dos dois pagamentos uma semana antes do Natal agradou os representantes dos funcionários e do comércio local. O presidente Sindicato dos Servidores Municipais de Rio Branco (Assemurb), Marcos Gama, disse que o anúncio demonstra “que a prefeita Socorro Neri tem conduzido bem a gestão municipal e aplicado com sabedoria os recursos, de forma a garantir os pagamentos em dia. Assim ela honra os servidores e nós só temos a agradecer”.

Programação de fim de ano

Já o assessor da presidência da Federação do Comércio, Egídio Garó, afirmou que os pagamentos possibilitarão que o empresariado se programe com relação às estratégias de vendas e promoções.

Cadê a grana, prefeito?

O prefeito de Sena Madureira, Mazinho Serafim (MDB), elegeu a esposa, Meire Serafim, a deputada estadual mais bem votada nas eleições de outubro deste ano. No entanto, parece ter esquecido de algumas obrigações. A coluna foi informada de que os servidores municipais ainda não viram a cor dos seus salários de novembro.

A conta-gotas

A mesma fonte afirma que receberam apenas os trabalhadores de alguns programas de Saúde do município e os da Assistência Social. O resto nem tchum…