Notícias do hospício

Leandro Fortes

Bolsonaro sofre de verborragia sistêmica, reflexo direto de sua condição mental precária e confusa. Quando menos se espera, o rosto descontínuo do presidente aparece, no noticiário e nas redes sociais, vomitando, com sua vozinha sibilante, algum absurdo.

Ao revelar a troca de favores eleitorais para, em contrapartida à prisão de Lula, levar Moro ao STF, em 2020, Bozo retirou dessa relação o último verniz que ainda lhe dava alguma credibilidade – e fez o ex-juiz entrar num jogo perigoso, ao desmentir o presidente.

Não que o movimento dos dois fosse um segredo: à exceção da estupidez dos bolsominions, qualquer brasileiro com mais de um neurônio havia percebido essa barganha, na origem.

Também revela, agora, com mais clareza, as razões que levaram Bozo e Moro a transferir o COAF para o Ministério da Justiça de forma tão açodada, nas primeiras horas de governo.

Bozo acreditava que Moro poderia proteger Flávio Bolsonaro, investigado por manter, na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, um laranjal de milicianos ligados ao assassinato de Marielle Franco.

Moro, contudo, demonstrou ser, em todos os sentidos, uma nulidade técnica e política. Um bocó que mal consegue articular frases, quiçá estratégias.

Tornou-se urgente, portanto, trazer o COAF de volta para o Ministério da Economia, onde Paulo Guedes, apesar de desvairado e sem noção, ainda tem apoio irrestrito da mídia e do poder econômico.

Moro é carne queimada.

Bozo ainda aposta no seu sanatório geral.

Jornalista

Fonte: https://www.brasil247.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *