Economia

    CNC prepara o fortalecimento sindical do comércio em tempos de covid-19

    O setor sindical não ficou de fora dos grandes desafios trazidos pela pandemia da covid-19. Pelo contrário, em tempos de crise, as demandas e a necessidade de atuação contínua para defender os interesses dos representados impõem que as entidades estejam mais bem preparadas do que nunca para cumprirem seu papel. E quanto mais maturidade tem o sindicato, mais efetiva é sua atuação. Foi o que ficou claro na videoconferência organizada pela Divisão Sindical da Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC), em 22 de julho, para marcar o lançamento de dois documentos referenciais: o estudo intitulado Atuação Sindical X covid-19, que analisou as boas práticas dos participantes do Sistema de Excelência em Gestão Sindical (Segs) durante a pandemia, e o Segs Supera, com recomendações para a atuação e o fortalecimento das entidades frente aos impactos da crise.

    “Estamos vivendo um período de profundas mudanças, em que os impactos da pandemia podem trazer um pessimismo muito grande para as empresas e para nossas entidades”, afirmou a chefe da Divisão Sindical da CNC, Patrícia Duque, na abertura da videoconferência. “Como representantes de maior instância deste Sistema, nós da CNC e das Federações precisamos demonstrar força e otimismo frente a esses desafios”, completou. Os dois documentos, apresentados para 86 participantes do encontro virtual, espalhados por todo o País, têm justamente o objetivo de servir como bússolas para as entidades sindicais do Sistema Comércio na travessia da crise.

    Estudo comprova relação entre nível de maturidade dos sindicatos e resultados alcançados

    As informações que embasaram o levantamento das melhores práticas das entidades durante a pandemia envolveram pesquisa qualitativa junto às Federações e a análise dos sites e mídias sociais de 100 sindicatos integrantes do Segs. “Percebemos uma relação direta entre o nível de maturidade das entidades e sua atuação de enfrentamento aos impactos da pandemia”, avalia o especialista da Divisão Sindical Mateus Lima Dornelas, que dividiu a apresentação dos documentos com João Pedro Braga, também da DS. “A estruturação e a oferta de produtos e serviços de apoio à base representada durante a crise é diretamente proporcional ao nível de maturidade alcançado pelo sindicato no programa”, completa o assessor da DS, enfatizando a importância de que as entidades estejam aptas a atuar com a agilidade necessária e com as ferramentas certas, repassando as informações e atualizando a base de contatos.

    Já o plano Segs Supera foi construído a partir de levantamento das melhores práticas do mercado e sua adequação aos fatores críticos de sucesso de cada um dos seis eixos da atuação sindical, além da consulta aos especialistas da CNC e multiplicadores do Segs. Ao todo foram identificadas mais de 70 recomendações para uma atuação sindical de excelência no cenário pós-covid-19.

    Entre as recomendações para as entidades sindicais estão a necessidade de uma liderança atuante, foco no cliente, pensamento sistêmico, resiliência organizacional e preocupação com o aprendizado contínuo e inovador. “A colaboração de todos foi essencial para chegarmos ao resultado destes materiais e será ainda mais importante agora, para difundirmos este conteúdo para dentro das Federações e para todos os nossos sindicatos, participantes ou não do Segs”, afirmou Patrícia Duque, ao agradecer a participação dos multiplicadores do Segs e dos órgãos da CNC (AGR, Cetur, DRI, Gecom e Geti) na produção dos documentos.

    O plano Segs Supera passará pela avaliação dos multiplicadores para incorporar sugestões, antes de ser distribuído e publicado para todo o Sistema CNC.

    Image
    Image
    Image