Brasil/Mundo

    Bolsonaro com coronavírus: médico explica que pacientes podem apresentar teste positivo por até cinco semanas

    Jair Bolsonaro anunciou nesta quarta-feira, após realizar um novo exame, que continua infectado pelo coronavírus. O presidente informou no dia 7 de julho que estava com a Covid-19. Desde então, participa de agendas apenas por meio de videoconferência. Na semana passada, Bolsonaro disse que havia feito um novo teste e que o resultado seguia positivo. Ao UOL, o médico infectologista dos Hospital das Clínicas de USP (Universidade de São Paulo) explicou que esse longo tempo de infecção pode causar surpresa, mas o exame não significa que Bolsonaro ainda está doente: “Uma minoria dos pacientes apresenta esse teste positivo até cinco semanas depois do diagnóstico inicial, mas isso não significa que o vírus está ativo ou que a pessoa ainda o transmita”.

    Nesta quarta-feira, em nota, a Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República afirmou que Bolsonaro “segue em boa evolução de saúde, sendo acompanhado pela equipe médica da presidência”. O presidente fez o novo exame na terça-feira, mas o resultado só foi divulgado na manhã desta quarta.

    Entre os auxiliares do presidente, a expectativa era de que o resultado fosse negativo e que ele pudesse voltar a despachar no Palácio do Planalto ainda nesta semana. Bolsonaro também disse que iria viajar para o Piauí na próxima sexta-feira. Agora, o presidente deve permanecer isolado no Alvorada.

    Bolsonaro planejava uma série de viagens semanais pelo Brasil para quando deixasse a quarentena forçada. Além do Piauí, estão no radar municípios na Bahia, em São Paulo e no Mato Grosso. A ideia das viagens é passar uma imagem para a população de que o governo segue trabalhando.

    A Presidência previa viagens para este próximo fim de semana às cidades de Campo Alegre de Loures (BA), para inaugurar a adutora que capta água do Rio São Francisco, e São Raimundo Nonato (PI), onde Bolsonaro iria visitar o Museu do Homem Americano ao lado do senador e presidente do PP Ciro Nogueira (PI).

    Image
    Image
    Image