Política

Política

André Maia volta à prefeitura de Senador Guiomard e anuncia aliança com governo

Eram 10h21min da manhã desta quinta-feira (12) quando o odontólogo André Maia, aos 40 anos

de idade, entrou pela porta da frente do prédio sede da Prefeitura Municipal de Senador Guiomard, município a 25 quilômetros da Capital Rio Branco, como prefeito reempossado – depois de oito meses de afastamento. Ele foi reempossado na Câmara de Vereadores e seguiu a pé pelas ruas até à Prefeitura sendo seguido por uma multidão que o aclamava. Estava acompanhado do governador em exercício, Wherles Rocha, do ex-deputado e pastor Jairo Carvalho, de vereadores e de assessores do senador Sérgio Petecão (PSD-AC) – Partido ao qual Maia é filiado.

No discurso de posse, o prefeito afirmou que foi vítima de uma trama política de um grupo que, segundo ele, governou o município por 20 anos e que não se conformou com sua eleição, em 2016. “Durante dois anos, este grupo, inconformado com a nossa vitória, tramou minha queda e conseguiu, porque eles foram tão hábeis que conseguiram enganar promotores de justiça, delegado de polícia e até mesmo a Justiça. Mas a verdadeira justiça, enfim, está sendo feita”, disse André Maia, que deve concluir o mandato e ser candidato à reeleição. “É muito cedo para tomar qualquer decisão, mas este deve ser o caminho. Eu estou na política por entender que este é um meio de fazer o bem às pessoas e isso eu quero continuar fazendo”, acrescentou.

Ao se dizer traído e acusar que foi vítima de uma trama, André Maia se recusou a citar nomes. “Não preciso dizer nomes porque a população de senador Guiomard sabe quem são as pessoas”, afirmou. “Mas eu não guardo mágoa de ninguém, porque acredito na Justiça dos homens e também na Justiça divina. Essas duas justiças estão acontecendo agora”, afirmou prometendo uma devassa na Prefeitura e a reformulação de todo o secretariado.

Dos nove vereadores da Câmara Municipal, um deles faltou à solenidade que reempossou o prefeito: o então prefeito em exercício, conhecido como “Gilson da Funerária”, presidente da Câmara Municipal que assumiu a Prefeitura porque o vice-prefeito, Judson Costa, renunciou ao cargo assim que André Maia foi afastado por ordem judicial. Ele não apareceu nem para devolver a faixa ao prefeito reempossado.

O afastamento do prefeito se deu, em 13 de dezembro do ano passado, por três acusações sustentadas pelo Ministério Público do Estado do Acre (MPAC): desvios de verbas públicas, fraude à licitação e pertencimento à organização criminosa. As acusações foram combatidas na Justiça pelo escritório de advocacia do jurista Waldir Perazzo, contratado para fazer a defesa do prefeito.

politica 8André Maia foi recebido com festa no retorno à prefeitura - Fotos: Agência ContilNet

“Basicamente, nossa estratégia de defesa foi a de apontar, sem entrar no mérito das acusações, que a Justiça estadual não tinha competência para a ação. A competência, no caso, é da Justiça Federal e isso foi acatado pelo relator do Tribunal de Justiça, desembargador Laudivon Nogueira, num belíssimo voto”, disse Perazzo. De oito desembargadores presentes à sessão que devolveu o cargo e o mandato à André Maia, seis votaram com o relator – a desembargadora Waldirene Lima foi voto vencido.

André Maia é filho do ex-deputado federal João Maia e da funcionária pública Clêce Maia – uma família com profundas raízes com o PT (Partido dos Trabalhadores) e movimentos de esquerda, já que o patriarca, ex-delegado da Contag (Confederação dos Trabalhadores na Agricultura) no Acre era amigo pessoal do sindicalista Chico Mendes e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Foi um dos fundadores do PT, mas acabou passando por vários partidos, incluindo o MDB, e hoje está aposentado, como deficiente físico após um AVC (Acidente Vascular Cerebral). No momento em que o filho estava sendo reempossado no cargo de prefeito, o ex-deputado, acompanhado da filha Adriana Maia, estava no Guarujá, no litoral paulista, na praia. “Ele deve ficar muito feliz com esta justiça, porque a sociedade está reconhecendo a injustiça que fizeram com nosso filho”, disse Clece Maia. “Eu entreguei tudo para Deus e não queria mais que ele voltasse e continuasse com esse negócio da política. Mas já que Deus quis que ele voltasse, que volte e realize o melhor para a nossa cidade. Eu só acho que aqueles que tramaram contra meu filho para derrubá-lo do cargo, se querem o poder, se querem voltar a mandar na cidade, que se candidatem, que se submetam ao julgamento popular não da forma sórdida como agiram”, acrescentou.

Apesar de suas ligações com Partidos e personalidades de esquerda, André Maia disse que vai governar o restante de seu mandato como aliado do atual governo e se disse muito agradecido ao vice-governador Wherles Rocha por prestigiar sua posse na condição de governador em exercício. “Eu sou de um Partido (PSD) aliado do governador Gladson Cameli e assim pretendo permanecer porque este é um Governo que está apenas começando e sei que ainda tem muito a oferecer ao nosso povo”, disse André Maia. “Já perdemos muito tempo e a palavra de ordem agora é trabalho, muito trabalho”, afirmou.

Agência Contilnet


gow banner p20