Política

Política

Governador em exercício prega a união com classe empresarial para o Acre crescer

O governador em exercício do Estado do Acre, Major Rocha, disse nesta segunda-feira, 9, que somente a união

do setor produtivo e do poder público vai permitir ao Acre crescer economicamente e à sua população sair da dependência quase exclusiva dos empregos da administração pública estadual.

Na solenidade de abertura do 1º Congresso de Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Acre, no auditório do Sebrae/AC, o governador afirmou que o perfil do novo governo é de “otimismo e determinação” para avançar, junto com o empresariado local, em direção de um estado forte e atraente para novos investimentos.

O congresso, promovido pela Federação das Associações Comerciais e Empresariais do Estado do Acre (Federacre), pela Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), com o apoio do Sebrae, Fecomércio e Fieac, tem como tema o “Protagonismo Empresarial nos Municípios Acreanos”.

Para uma plateia de pequenos, médios e grandes empreendedores, empresários e industriais acreanos, o governador em exercício lembrou que o Acre é um celeiro de oportunidades.

“Estamos bem localizados e temos um celeiro de oportunidades. Mas só o governo não vai conseguir essa participação ativa na economia. Para mudarmos a realidade temos que seguir juntos, governo e a iniciativa privada. Por isso, eu deixo o braço estendido para a classe empresarial”, afirmou Major Rocha, ao lado de conselheiros do Sebrae, representantes de instituições bancárias, de entidades de classe, secretários de Estado, do município de Rio Branco e políticos.

Na opinião do presidente da CACB, o empresário acreano do ramo hoteleiro George Pinheiro, “o congresso é uma oportunidade importante para que os empreendedores locais possam assimilar as histórias de sucesso como as do Grupo Recol e do Grupo Araújo, por exemplo”.

Já o secretário de Finanças da Prefeitura de Rio Branco, Edson Rigauld, manifestou a sua preocupação com uma retração de pelo menos R$ 100 milhões em notas fiscais que deixaram de ser emitidas, nos últimos meses, pelo comércio da capital acreana, e elogiou a política de austeridade do novo governo, que permitiu sanar dívidas herdadas da administração passada e pagar compromissos com setores que ficaram prejudicados também pela gestão anterior.

“Devemos ressaltar como uma característica positiva de nossos empresários a resiliência e o que o governo fez podemos classificar de um belíssimo ajuste fiscal, que contribui para o crescimento econômico”, pontuou Rigauld.

A secretária de Estado de Turismo e Empreendedorismo e Turismo, Eliane Sinhasique, também participou da abertura do congresso que se estende por toda esta semana com diversas palestras.

Agência Notícias do Acre


gow banner p20