Polícia

Polícia

Boto-cor-de-rosa morre ao ser ferido com várias perfurações durante pescaria no interior do Estado

A foto de um boto-cor-de-rosa viralizou nas redes sociais na terça-feira (6). Isso porque a imagem mostra o animal bastante ferido

, com várias perfurações pelo corpo, às margens do Rio Tarauacá, no interior do estado.

O registro foi feito por um pescador na manhã desta segunda-feira (5) e acabou se espalhando, principalmente como um alerta.

De acordo com o servidor público, um dos que flagraram a cena, mas que prefere não se identificar, no momento muita gente estava ao redor do animal, que ainda estava vivo, mas que não teve forças para voltar para o rio.

Ele diz que costuma sempre pescar com amigos ali na região e ficou comovido ao ver que o animal agonizava.

“A gente viu que o animal ainda estava respirando, tentamos colocar ele na água, mas ele não tinha força e não conseguiu. Estava muito machucado, com cerca de 30 perfurações de faca mesmo” relembra.

Ele acredita que a presença de peixes nesta época do ano acaba atraindo mais os botos na região. Disse ainda que ação pode ter sido motivado por raiva, porque muitas vezes o animal acaba furando a rede de pesca.

“Às vezes estão pescando, jogam a malhadeira e o animal [boto], que quer se alimentar, acaba se prendendo. Muitas vezes, ele consegue arrombar a rende, mas em outras ele fica enganchado. Geralmente, quando acontece isso, a gente solta eles. Mas, devem ter ficado com raiva porque prejudicou a malhadeira e acabaram fazendo isso. Ou pode ter sido só por maldade mesmo, já que o boto é inofensivo”, diz.

O boto-cor-de-rosa

O animal na foto foi identificado, pela bióloga Joseline Guimarães, como da espécie Inia geoffrensis, conhecida popularmente como boto-cor-de-rosa, que é nativo dos rios da Amazônia. Ela explica ainda que o animal está na categoria “vulnerável” da União Internacional para a Conservação da Natureza e dos Recursos Naturais (IUCN).

“Esta espécie alimenta-se de peixes e, por este motivo, pode ser atraída por redes de pesca, por encontrar facilidade em obter alimento e, infelizmente, esta prática pode trazer prejuízo. Como, por exemplo, o animal ficar enrolado na rede e morrer afogado ou acontecer um crime ambiental, como matar o animal para pegar de volta a rede de pesca e os peixes”, explica.

Multa e prisão

Matar este animal é um crime contra a fauna silvestre, previsto pela lei 9.605/98. As sanções podem ser de 6 meses a um ano de prisão e multa de até R$ 500 por cada espécie abatida. Mas, por ser boto, a multa pode chegar ainda a R$ 2,5 mil.

Isso porque eles têm a proteção de uma ressalva contida na lei, como explica a bióloga Paula Joseanny, da Divisão de Recursos Hídricos e Fauna do Instituto de Meio Ambiente do Acre (Imac).

“Boto é da ordem dos cetáceos, onde há toda uma lenda ao redor de sua existência. Por isto, há este artigo específico que os protegem de contatos prejudiciais a eles”, finaliza.

Portal G1/AC


gow banner p20