Poronga

Poronga

Cizânia!

Em nota encaminhada à imprensa, fazendo referência aos últimos fatos políticos que envolvem seu nome, a deputada federal Mara Rocha (PSDB) revelou que está sendo vítima de um complô político.

A parlamentar tucana, no entanto, não disse por quem é liderado o complô, entretanto, atribuiu os ataques à boa avaliação que, segundo ela, seu nome dela detém em uma eventual disputa rumo à Prefeitura de Rio Branco ou Senado.

Desequilíbrio

Sobre as falas de Gladson Cameli (PP), que a acusou de desonestidade política, Mara qualificou os ataques como destempero. “Não compreendi o destempero do governador, que me atacou, de forma desrespeitosa, durante todo o final de semana – acompanhado por seus liderados -, pelas redes sociais e jornais na tentativa clara de colocar a população contra minha pessoa, e isso, dias após uma conversa em que ele me garantiu a demissão do secretário da SEPA”, diz.

O ovo da serpente!

A deputada tucana afirmou ainda que tem sido vítima de fake news. Para ilustração, Mara citou os supostos ataques a sua pessoa feitos pelo Superintendente do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento no Acre (MAPA) Luziel Carvalho.

Apontando o dedo

Insinuando as digitais do governador nos ataques, Mara foi incisiva: “Indicado de Gladson Cameli parte para o ataque usando a mentira como arma. Como se não bastassem os ataques nas redes sociais, utilizando fake news, surge hoje (ontem) mais uma tentativa de manchar a minha imagem”, anotou ela no comunicado dirigido à imprensa.

Nome e sobrenome

E foi alem: “Uma manifestação política, me atacando, promovida pelo atual superintendente do MAPA e auto proclamado candidato a prefeito de Rio Branco pelo PP, partido do governador Gladson Cameli, o ex-comunista Luziel Carvalho, ocupa o cargo atual por indicação política de Gladson”. No raciocínio de Mara, Luziel está a cumprir o ordenamento dos ataques.

Sem interferência

Mara negou que tenha indicado o irmão para cargo no Ministério da Agricultura no Acre. “Paralelamente a tal manifestação, um representante da mídia publicou mentiras sujas a meu respeito de que eu estaria trocando o superintendente do Ministério da Agricultura no Acre por meu irmão, Pang Rocha”.

Negativa

E finaliza: “A fonte que se prestou a disseminar tamanha infâmia chega ao cúmulo de dizer que um ofício com essa solicitação já estaria na Presidência da República. Não! Não indiquei meu irmão. Nada contra quem o faz!”, arremata a deputada.

Êpa!!!

O ex-senador paranaense Roberto Requião (MDB) ironizou a prisão do militar que transportou 39 kg de cocaína no avião presidencial. Pelo Twitter, o emedebista lembra que o presidente Jair Bolsonaro (PSL) vetou bagagem acima de 10 kg.

Brasilsilsil

“Bolsonaro deve estar fulo! 39 quilos? Ele vetou este exagero! Não pode um passageiro levar mais de dez quilos!”, escreveu. “Agora além do Abacate para Argentina exportamos cocaína para a Espanha, em avião presidencial?”, perguntou o ex-parlamentar paranaense.

Berço esplêndido

Requião aproveitou o episódio para politizar o que ele considera a entrega da soberania nacional com as privatizações e a proposta de independência do Banco Central. “Pior do que avião presidencial traficar cocaína é privatizar [as empresas públicas] e dar independência ao Banco Central [para satisfazer os banqueiros]”, criticou ao pedir que os brasileiros acordassem.

Aviãozinho

Os senadores Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Weverton Rocha (PDT-MA) apresentaram ontem, quarta-feira (26), requerimento a fim de convidar o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), general Augusto Heleno, para prestar esclarecimentos à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado sobre o sargento da Aeronáutica, que integrava a comitiva presidencial, preso por transportar drogas na bagagem em avião da Força Aérea Brasileira (FAB).

Investigação

A FAB já abriu o Inquérito Policial Militar (IPM) para investigar a prisão do 2º sargento da Aeronáutica, cujas iniciais do nome são M.S.R., em Sevilha, na Espanha, na manhã de terça-feira, 25, após ter desembarcado no país com 39 kg de cocaína em sua bagagem pessoal.

SOS

Ontem o deputado Jenilson Leite (PCdoB) escalou a tribuna para fazer um alerta sobre a falta de medicamentos trombolíticos no Pronto Socorro da capital. O parlamentar disse que se hoje alguém estiver enfartando e buscar a unidade de saúde, não haverá condições para ser atendido. Ele solicitou que o Ministério Público faça uma investigação e tome providências sobre o problema.

Ladeira abaixo

Jenilson afirmou que a situação do Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb) vai de mal a pior. De acordo com ele, faltam medicamentos indispensáveis para o atendimento de pessoas que necessitem fazer um cateterismo.

Descaso

Disse ainda que terça feira venceu o contrato do governo com a empresa que fornece material para o procedimento de cateterismo e o executivo que trata do assunto ainda não renovou o contrato e nem se pronunciou a respeito. Ele pede que o Ministério Público tome medidas urgentes sobre o fato.

UTI

Ontem o deputado Roberto Duarte (MDB) apresentou na sessão da Aleac indicações endereçadas à Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre) solicitando melhorias para a maternidade Bárbara Heliodora e o Hospital da Criança.

Infraestrutura

Uma das indicações pede que seja realizada a reforma na infraestrutura da maternidade, consultórios médicos, enfermarias e banheiros. O parlamentar pediu ainda que sejam instaladas grades de segurança nas janelas do prédio.

Insalubridade

“Minha equipe visitou as duas unidades de saúde e dessa visita tiramos algumas indicações a partir de relatos de pacientes e dos próprios servidores. Para começar, a estrutura da maternidade está precária, há muitas irregularidades. As enfermarias e os banheiros precisam de uma reforma o mais rápido possível”, disse.

Pocilga

O emedebista também falou da necessidade de um serviço de dedetização na Bárbara Heliodora, pois de acordo com ele há uma infestação de ratos no local. “Essa foi a denúncia que mais me preocupou. A infestação de ratos na unidade de saúde é um caso grave, são animais que transmitem inúmeras doenças podendo contaminar tanto as mães quanto os bebês”, enfatizou.


gow banner p20