Artigos

Artigos

A (nova) República Velha

‘Ministro faz tudo o que quer, menos o que o presidente não quer’. Rodrigues Alves, presidente da República (1902-1906)

A privatização da BR Distribuidora é um sinal — e não sintoma — de que a sociedade está distraída quando pensa estar vigilante. A reforma da Previdência ainda fará o corta-luz para outras questões importantes tratadas com menos atenção. Enquanto isso, ministros do governo Bolsonaro agem como assessores parlamentares. O presidente é apenas o poder moderador.

O silêncio e falta de ação da PF — chefiada pelo ministro da Justiça Sergio Moro — sobre o sumiço de Fabricio Queiroz, o policial militar e ex-assessor do senador Flavio Bolsonaro, filho do presidente, contrasta com a rapidez e dedicação para identificar (e prender) os supostos hackers. Poderia aproveitar o mesmo vigor e conduzir coercitivamente o suspeito laranja — ou laranja suspeito — e esclarecer o caso.

Francisco de Paula Rodrigues Alves, o primeiro presidente natural do estado de São Paulo eleito diretamente, escolheu o abolicionista Joaquim Nabuco como embaixador dos EUA em 1905. Hoje, a indicação do deputado federal Eduardo Bolsonaro pelo pai (o segundo paulista conduzido democraticamente à presidência) ao cargo diplomático somado ao respaldo de Ernesto Araújo faz refletir sobre o papel atual do ministério das Relações-Exteriores; Damares Alves, ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos propôs a empresários que investissem numa fábrica de calcinhas – tal medida evitaria abusos sexuais contra meninas paraenses que não tem condições de comprá-las.

Tereza Cristina, titular da Agricultura, liberou quase trezentos agrotóxicos em menos de oito meses de governo e milhões de abelhas mortas; Ricardo Salles, do Meio-Ambiente, finge não ver nem ouvir o atrito entre seu chefe e seu subordinado, o diretor do INPE — sobre a divulgação dos números sobre o desmatamento da Amazônia.

Privatizar o ensino superior será opcional, de acordo com o ministro Abraham Weintraub. A gestão será por meio de organização social. Ou seja, num ambiente acadêmico onde professores serão contratados por CLT, será difícil prever como diversidade do pensamento e pluralidade cultural serão debatidas com garantias democráticas — porque não há diálogo sem liberdade.

Osmar Terra, ministro da Cidadania, vetou a divulgação dos números do Levantamento Nacional sobre o Uso de Drogas pela População Brasileira simplesmente porque ‘não confia na pesquisa’. Terra também acredita que o maior problema do Brasil não é a fome, mas a obesidade. O discurso, assim como o de seus colegas, está alinhado ao do chefe.

Decisões importantes e estratégicas de cada ministério parecem estar não apenas sob crivo prévio do presidente da República — mas também ao sabor de suas convicções pessoais. Medidas sem relevância como fim do horário de verão ou exportação de abacates ou nióbio desviam o foco e arrancam sorrisos amarelos de parte de seu eleitorado.

Se no ano do centenário de morte de Rodrigues Alves, porém, não for possível reverenciar a memória de Joaquim Nabuco — que pelo menos a saúde de Oswaldo Cruz seja preservada.

E não uma (nova) República Velha.

Jornalista

Fonte: https://jornalggn.com.br

Assine nossa Newsletter

Receba em seu e-mail nossas promoções, dicas e muito mais


gow banner p20