Artigos

    A tragicomédia brasileira

    Não falta material para ridicularizar este governo: qualquer um pode diariamente encontrar a piada pronta do sr. Jair Bolsonaro.

    Mas, sinceramente, desanima – e muito – ver de novo o nosso país reduzido ao “n’est pas serieux” que se atribui, aliás equivocadamente, a Charles de Gaulle, então presidente da França.

    Estamos rindo de termos um presidente ignorante, sabujo ao ponto de querer mandar o filho, dublê de cowboy trumpista, ser embaixador nos EUA, enquanto o nosso país vira chacota internacional, completamente isolado nos fóruns multilaterais, alinhado ao Bahrein e à monarquia saudita.

    Estamos seguindo, sôfregos, a lenta exposição do belo trabalho de um jornalista norte-americano sobre algo que toda a imprensa brasileira sabe há quase cinco anos: que a Lava Jato tornou-se um centro de conspiração política, destruindo empresas e política e alavancando projetos de poder com a promiscuidade dos órgãos judiciais.

    Estamos discutindo se devemos ter uma “nova esquerda”, que defenda o mesmo que a velha direita, embora com mais modos e linguagem polida.

    O país caindo pelas tabelas, as calçadas se enchendo de indigentes e o discurso segue o mesmo – ainda hoje repetido pelo general Augusto Heleno: o de que medidas econômicas só depois de totalmente aprovada a reforma da Previdência.

    A falência de empresas, o fechamento de fábricas, o corte de gastos e investimentos públicos são, todos, quase comemorados pelo jornal, como se fossem a afirmação de uma “seleção natural” onde só os fortes sobrevivem.

    Estão no poder há mais de três anos – quase cinco, se contarmos Joaquim Levy – e não há luz, só túnel.

    É, em quase tudo, um pesadelo do qual só serve de consolo sabermos que dele vamos acordar.

    Jornalista

    Fonte: http://www.tijolaco.net

    Image
    Image

    Assine nossa Newsletter

    Receba em seu e-mail nossas promoções, dicas e muito mais