Ficou mais difícil subir a ladeira

Vinicius Torres Freire

Os economistas dos dois maiores bancos privados, Bradesco e Itaú, estimam que a economia tenha encolhido 0,2% no primeiro trimestre do ano, na comparação com o trimestre anterior. Deu chabu, está claro agora para todo o mundo. E daqui em diante? Angústia.

Vai ser difícil que a economia cresça mesmo o 1% que os bancões preveem para este ano. Para chegarmos a esse miserável 1%, seria preciso que o PIB (Produto Interno Bruto) crescesse ao ritmo de 0,6% por trimestre restante de 2019 ou algo equivalente. E daí?

Desde 2013, o ano em que tudo começou a terminar, a economia cresceu mais de 0,5% em apenas dois trimestres. Foi em 2013 e no início de 2017, quando houve uma safra excepcional e o país subia uma escadinha do buraco mais profundo da recessão.

Improvável não é impossível. Economia não é loteria, apesar de mumunhas e mistérios do comportamento social. Difícil é entender de onde viria o impulso para essa aceleração do crescimento, que nem é visível, no momento. Os primeiros indícios são que o segundo trimestre não começou bem.

O consumo das famílias vai aumentar de modo relevante? Em geral, não é o caso, o consumo privado não costuma dar saltos. Depende do aumento da massa de rendimentos do trabalho, que vem crescendo moderadamente, pois o desemprego mal cai, se tanto. O mercado formal de trabalho parece esfriar.

Consumo depende também de crédito. Parece razoável acreditar que as pessoas vão tomar mais empréstimos, neste climão? Com a confiança econômica caindo, com a baderna do governo, com as notícias de que a atividade econômica é ainda mais fraca do que se estimava, mesmo com expectativas já reduzidas?

O investimento em novas máquinas, equipamentos, instalações produtivas e moradias vai dar um salto? É da variação do investimento que dependem as viradas mais relevantes do PIB, para o bem ou para o mal.

Dos grandes componentes da despesa nacional, também é o mais difícil de prever.

Dadas a frustração das estimativas de crescimento, a queda do investimento público e a perspectiva falimentar para as contas públicas, parece difícil animar empresas a colocar dinheiro novo nos negócios.

De resto, um governo que promove a desordem política e o conflito com o Congresso Nacional contribui de modo revoltante para a depressão dos ânimos.

A despesa do governo não vai crescer, se não cair ainda mais. O investimento em obras vai à míngua. O aumento do investimento privado em infraestrutura, por meio de concessões, parece apenas um plano infalível que não sai do papel, ao contrário do previsto pela euforia privatista que começou em 2016.

Do aumento de exportações não virá estímulo, se não ocorrer o contrário. Para piorar, Donald “Nero” Trump voltou a criar tumulto na economia mundial, o que prejudica as condições financeiras aqui dentro também (juros, dólar, ações a preços que desanimam investimentos).

Do lado positivo, as famílias estão algo menos endividadas, na média. Em alguns mercados de empréstimos, há crédito de sobra nos bancos, a taxas de juros nos níveis mais baixos de que se tem notícia, caso do financiamento imobiliário.

A aprovação de reformas até o terceiro trimestre deve tirar algum investimento privado da gaveta, além de levar Banco Central e mercado a reduzirem em um tico as taxas de juros. Mas esse eventual estímulo deve fazer algum efeito mesmo no ano que vem.

O programa só acaba quando termina. Mas está difícil.

Jornalista

Fonte: https://www.folha.uol.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *