Ação extrema

Fotos: Da Assessoria/Agência Aleac

Ontem o governador Gladson Cameli (PP), ventilou que seu governo poderá decretar calamidade financeira caso o Cngresso Nacional não aprove a reforma da previdência proposta pelo presidente Jair Bolsonaro (PSL).

Alto custo

Gladson flerta com a possibilidade usando como argumento a hipótese de não encontrar a solução para conter os gastos que o tesouro estadual despende mensalmente para completar o pagamento dos funcionários aposentados. Para exemplo, citou que somente este mês a fazenda estadual desembolsou mais de R$ 40 milhões para honrar com os custos do Instituto Acreprevidência.

Discussão

“Se não aprovarem a reforma, eu não tenho como aguentar mais”, disse o governador que desde quarta-feira, 7, está em Brasília. Em um encontro com o presidente Jair Bolsonaro, que também contou com a presença dos governadores de outros 22 Estados, Gladson discutiu a reforma da previdência.

Truco

Contrapondo-se a possibilidade aventada pelo governador o deputado estadual Daniel Zen (PT) não poupou críticas à idéia, afirmando que o chefe do Palácio Rio Branco faz “chantagem barata e terrorismo” com o caso.

Alhos e bugalhos

Daniel Zen enfatiza que não existe correlação alguma entre a Reforma da Previdência com a questão do governo do Acre sinalizar com o decreto. “Não altera absolutamente em nada. Porque o nosso é Regime Próprio de Previdência (RPPS) e a Reforma é para o Regime Geral da Previdência (RGPS).

Plenária

Aconteceu na manhã de ontem, quinta-feira (9), na Aleac, sessão solene em referência ao Seminário da Reforma da Previdência. A solenidade, proposta pelo deputado Daniel Zen (PT), contou com a participação de presidentes de diversos sindicatos: Urbanitários, Correios, Vigilantes, Bancários e representantes da OAB, além de vereadores e deputados estaduais.

Encontro histórico

Ao fazer a abertura da sessão, o presidente em exercício do Poder Legislativo, deputado Jenilson Leite (PC do B) destacou a importância do debate. “Diante de uma página na história do país em que muitos dos direitos que conquistamos estão em cheque, esse debate não poderia ser mais oportuno”, registrou o comunista .

A união faz a força!

Rosana Nascimento, presidente da CUT, afirmou que é preciso a união de todas as entidades que lutam em defesa dos direitos dos trabalhadores. “Precisamos da união dos movimentos sindicais em um momento que os direitos dos trabalhadores estão seriamente ameaçados. Trabalhador não quer saber se é de direita ou esquerda, o que ele quer é a garantia de seus direitos”, afirmou.

Precedente perigoso!

Por seu turno, Eudo Rafael, presidente do Sindicato dos Bancários do Acre, enxerga na Reforma Previdenciária proposta pelo governo Bolsonaro uma desconstitucionalização das garantias trabalhistas. “Qualquer governo de plantão poderá, a qualquer momento, tirar mais direitos dos brasileiros da noite para o dia, mesmo que a reforma já tenha sido aprovada, e isso poderá acontecer sem que a gente possa reagir”, disse.

Além da queda, o coice!

Representando a Comissão de Direito Previdenciário da OAB, Rose Figueiredo disse que a proposta veio para dificultar ainda mais a vida dos trabalhadores brasileiros. “A OAB está totalmente engajada nessa luta, nós estamos, inclusive, organizando uma audiência púbica para também debater sobre o assunto com a população. Estamos fazendo um estudo mais aprofundado para podermos dar mais ênfase a essa discussão”, ressaltou.

Alerta

Para João Cabral, presidente da Intersindical no Estado, é necessária uma maior participação dos parlamentares acreanos no debate. “São poucos os deputados acreanos que estão com a gente nessa luta, são poucos os partidos que entraram nessa briga, isso me causa até vergonha. Num Estado onde tudo está tão difícil as coisas tendem a piorar ainda mais com as medidas que estão sendo adotadas pelo governo federal. Portanto, os nossos parlamentares precisam se manifestar”, salientou.

Causa que unifica

José Uchoa, presidente da CTB no Estado, fez questão de destacar o engajamento dos movimentos sindicais na luta contra a Reforma da Previdência. “Hoje, este parlamento faz história, essa discussão não poderia ser mais oportuna levando em consideração o momento delicado que vivemos no país. Está havendo uma onda avassaladora de conservadorismo e isso é preocupante demais. Nós precisamos lutar e a união dos sindicatos nunca foi tão importante”, afirmou.

A luta, companheiros!

A direção nacional do PT divulgou uma nota no início da noite de ontem, quinta-feira (9), em que saúda as mobilizações contra os cortes do governo Bolsonaro na educação e convoca a militância do partido para participar da greve nacional dos professores no dia 15 de maio.

Convocação

“O PT convoca sua militância e recomenda a seus parlamentares e instâncias a estreitar laços de colaboração com esta importante jornada de luta popular”, diz trecho da nota.

Efeito Bolsonaro

Os brasileiros aumentaram os saques da caderneta de poupança no mês de abril. No mês passado, os saques superaram os depósitos em R$ 2,88 bilhões, segundo divulgou o Banco Central, na terça-feira (7). Foi a maior retirada líquida da caderneta para meses de abril desde 2016, quando R$ 8,25 bilhões foram retirados da poupança.

Justiça

O desembargador Abel Gomes , presidente da Primeira Turma do Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2), acatou o pedido da defesa do ex-presidente Michel Temer para que ele cumpra prisão preventiva em São Paulo .

Improviso

Temer ficará preso numa sala improvisada na Superintendência da Polícia Federal no bairro da Lapa, região Oeste da capital. O Superior Tribunal de Justiça (STJ) deve julgar o pedido de liberdade do ex-presidente somente na próxima terça-feira.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *