Vereador Dankar destaca aprovação de Projeto de Lei que institui o programa Farmácia Solidária

“Esta é uma forma de beneficiar os mais carentes, combater a automedicação e, consequentemente a intoxicação medicamentosa”, comenta o parlamentar – Foto: Da Assessoria

O vereador Mamed Dankar (PT) comemorou a aprovação no plenário da Câmara de Rio Branco do Projeto de Lei de sua autoria que propõe a implantação do programa “Farmácia Solidária” na Capital. A matéria, aprovada na sessão de ontem, permite que o município arrecade e distribua medicamentos doados pela população.

Dankar lembra que os medicamentos que “sobram” de tratamentos geralmente vencem e são descartados no lixo comum, quando antes de atingirem o prazo de validade poderiam ser destinados para uso da população de menor poder aquisitivo.

“Esta é uma forma de beneficiar os mais carentes, combater a automedicação e, consequentemente a intoxicação medicamentosa. Proteger também o meio ambiente, porque os medicamentos não podem ser descartados no lixo comum”, disse.

O parlamentar frisa ainda que a captação e distribuição dos medicamentos ocorrerá através das unidades básicas de saúde e após a realização de uma triagem para verificar os remédios que ainda estão aptos para o uso.

“Os medicamentos inapropriados deverão ser descartados e incinerados. Aqueles que estiverem em perfeitas condições de uso serão cadastrados e colocados na farmácia solidária. Cumpre destacar que todas as etapas deverão ocorrer sob a supervisão de um profissional farmacêutico já contratado pela prefeitura”, disse ao pontuar ainda a necessidade de prescrição médica para a aquisição do remédio

“O paciente só terá acesso a medicação se apresentar a receita médica. Não será feita a distribuição aleatória. Tudo será controlado, desde a captação até a distribuição de casa remédio e com a supervisão dos profissionais da Saúde devidamente qualificados”.

Por fim, o vereador pontuou que o trabalho poderá ocorrer em sistema de parceria entre a prefeitura, instituições, associações, entidades e sociedade em geral. “Os pontos de coletas e distribuição serão definidos pela Secretaria de Saúde e com o apoio das demais pastas envolvidas”.

Por fim, o parlamentar frisou que “com uma farmácia solidária, teremos a oportunidade de mudar a cultura das pessoas de guardar remédios em casa sem necessidade. Como o nobre colega falou, evitaremos a automedicação e ainda poderemos ajudar nossa comunidade carente”.

Da Assessoria