VAI-TE EMBORA, GILMAR MENDES!

Ó Deus, fazei do Brasil
A Pátria com que se sonha…
Livrai-nos deste covil
Que nos afronta e envergonha!

Há muito que vivo puto
Com esta esculhambação:
Há quem eleja o corrupto,
Há quem proteja o ladrão!

Se vejo um Gilmar ministro
Do Supremo Tribunal,
Todo o restante é sinistro,
E o desarranjo é total.

Gilmar, respeita a agonia
De um povo triste e infeliz,
Some! E esquece que um dia
Tu te fizeste juiz.

Como tal tu nos ofendes …
– Seja com vara ou sem vara –
Vai-te embora, Gilmar Mendes,
Criar vergonha na cara!

Neste mal que nos afoga,
Teu cinismo continua …
Devolve logo essa toga,
Que ela é do povo e não tua.

Quem se faz um desonrado
Na nobre missão que tem,
Dando guarida ao safado
Vira safado também.

Ó Deus, fazei do Brasil
A Pátria com que se sonha…
Livrai-nos deste covil
Que nos afronta e envergonha!