Urgência

Foto: Cedida

A bancada federal acreana tem pressa na liberação dos recursos empenhados no Orçamento Geral da União deste ano e destinados às obras de recuperação da BR-364.

Pressão

No fim de semana, o coordenador da bancada, o senador Sérgio Petecão (PSD), acompanhado dos deputados federais Raimundo Angelim (PT) e Cesar Messias (PSB), esteve com o diretor-geral do Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes), Valter Casimiro Silveira, para solicitar a liberação dos recursos, calculados em quase R$ 100 milhões. O dinheiro é oriundo de emenda coletiva.

Desbloqueio

Segundo Petecão, o governo federal autorizou o desbloqueio integral do referido valor. Isso significa que o recurso já pode ser empenhado.

Pedido

O senador do PSD garante que o montante está disponível. Por não ter havido contingenciamento por parte do governo Temer, o pedido dos parlamentares a Silveira foi de que priorize o empenho da verba, garantindo o repasse do valor integral da emenda destinada à BR-364.

Clima

Angelim lembrou ao diretor do Dnit as particularidades da região quanto à sua sazonalidade, responsável pela alternância de seis meses de chuvas a outros seis de verão. E pediu tratamento diferenciado na liberação.

Celeridade

“Nunca é demais cobrar celeridade na liberação de recursos para o Estado do Acre, especialmente quando se destinam às rodovias 364 e 317”, disse o deputado do PT.

Trâmite

Em resposta, Silveira explicou o trâmite burocrático a ser cumprido pelo Ministério do Planejamento, mas afirmou acreditar que até o final deste mês o processo já esteja ‘desembaraçado’.

Mudança de rumo

Deputado estadual Eber Machado, que era aguardado no DEM, resolveu se filiar ao PDT, tendo a ficha abonada pelo presidenciável Ciro Gomes. Eber se autoproclama pré-candidato a deputado federal.

Com que roupa eu vou?

A coluna apurou que o parlamentar, eleito duas vezes para a Assembleia Legislativa do Acre pelo PSDC, mantinha conversas com o Democratas, partido ao qual tencionava se juntar.

Mesma casa, quartos diferentes

Mas a inconstância de Eber Machado levou-o a optar pelo PDT – partido que no Acre compõe, bem como o seu antigo partido, a base do governo na Aleac.

Marcação cerrada

Não bastasse o fato de que pode ser rifado da direção estadual do Democratas, Tião Bocalom tem sido obrigado a desmentir boatos de que tria feito uma composição sigilosa com o coronel Ulysses Araújo, pela qual este seria lançado candidato a deputado federal enquanto Bocalom concorreria à Câmara Federal.

Pura fofoca

Irritado com a notícia que se espalhou pelas redes sociais, o ex-prefeito de Acrelândia debitou a ‘fofoca’ aos integrantes do MDB de Flaviano Melo.

Indefinição

À imprensa, Bocalom tem repetido que segue o plano de apoiar Ulysses para o governo. O que ele não sabe ainda é se isso será possível estando no Democratas, já que o deputado federal Alan Rick trabalha nos bastidores em Brasília para assumir o comando da sigla no Acre e, assim, poder levá-la para o colo do senador Gladson Cameli (Progressista).

Esparrela

Bocalom confirma ter tido uma conversa, na companhia do coronel Ulysses, com membros da cúpula emedebista, para a qual foi chamado pelos anfitriões. Mas garante que se soubesse que após o encontro se espalharia o boato de que teria mudado seus planos, conforme descrito aí acima, teria declinado o convite.

Sem acordo

A intenção dos caciques emedebistas era persuadir o ex-prefeito e o coronel a juntar-se à aliança capitaneada pelo senador Progressista. Mas a dupla saiu do encontro sem que um acordo fosse firmado nesse sentido.

Dilemas

Apesar de aferrado à ideia de apoiar Ulysses para o governo nas eleições deste ano, Bocalom tem dois problemas com que se preocupar. O primeiro deles é seu destino político, uma vez que nesta semana a executiva nacional da sigla deverá bater o martelo sobre quem haverá de ficar no comando do Democratas no Acre. A segunda questão é à qual partido se filiará Ulysses, sendo que se tudo der certo para o atual presidente do DEM, neste o coronel não teria o apoio do presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Homologação

É que nesta semana, em Brasília, o nome do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (RJ), foi homologado como pré-candidato à Presidência da República.

Debandada

Nos bastidores da política acreana, porém, é dada como certa a saída de Tião Bocalom do Democratas. Caso isso aconteça, é mais do que certo que o ex-prefeito de Acrelândia deixaria o partido, acompanhado por seus fiéis escudeiros que compõem as executivas estadual e municipal – entre os quais estão Frank Lima e Valtinho José.

Consequências

Com o DEM em mãos, o deputado federal Alan Rick teria munição, afinal, para barganhar a indicação do seu nome para a chapa majoritária, na condição de pré-candidato a vice de Gladson Cameli.

Variáveis políticas

E se por um lado Cameli teria a possibilidade de ampliar sua aliança, por outro seria pressionado, inclusive pelo MDB, a optar por Alan Rick, quando todos sabem que ele se inclina a escolher alguém indicado pelo PSDB do Major Rocha – desde que não seja, claro, a jornalista Mara Rocha, pivô de uma briga que levou os emedebistas a declararem o rompimento com o Progressista.

Ciência

O secretário de Estado de Desenvolvimento da Indústria, do Comércio e dos Serviços Sustentáveis (Sedens), Sibá Machado, reuniu neste sábado, 10, na escola Humberto Soares, em Rio Branco, professores, jovens em ato de filiação para a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC). Na ocasião, o senador Jorge Viana (PT) também se alistou à entidade.

Bandeira do mandato

“Os investimentos em ciência e tecnologia são uma bandeira do meu mandato. Por isso fiquei muito feliz de ter participado da solenidade que marcou minha filiação como membro da SBPC, uma das mais importantes entidades ligadas ao tema no Brasil e referência também fora do país”, disse o parlamentar.

Tribunal de Exceção

Edição de março da revista Le Monde Diplomatique Brasil traz, na capa, uma denúncia sobre os “tribunais de exceção” do país. Os principais atores do golpe parlamentar de 2016, inclusive a população que bateu panela com a camisa da seleção brasileira, são retratados no desenho, que tem como vítima de enforcamento a famosa estátua de olhos vendados representando a Justiça. Confira na imagem acima.