Traidor

Foto: Reprodução

O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin e o candidato ao governo paulista João Doria se desentenderam em uma reunião executiva do PSDB em Brasília, ontem, terça-feira (9). Em um áudio obtido pelo jornal O Estado de S. Paulo, Alckmin critica o ex-prefeito da capital e insinua ter sido traído por ele.

Discutindo a relação

O áudio traz um discurso de Doria que dizia que o partido deve fazer uma autoavaliação depois do primeiro turno das eleições. Além de ver seu candidato à presidência ficar com apenas 4,76% dos votos, a legenda perdeu cadeiras na Câmara dos Deputados e agora é apenas a 9ª maior bancada.

De frente com o espelho

Durante a fala, Doria foi interrompido por Alckmin, que disse que não era a favor da associação do partido ao governo de Michel Temer (MDB). “O ‘Temerista’ não era eu”, disse o ex-governador. Enquanto o ex-prefeito tentava retomar o discurso, Alckmin continuou falando: “você, você, você”.

Somos todos iguais

O candidato ao governo, então, pediu para o ex-governador não desrespeitar dois ex-ministros de Temer que estavam na reunião, José Serra e Bruno Araújo. “Foram dois grandes ministros do nosso partido”, disse. “Precisamos ter discernimento e calma”, continuou.

Criador e criatura

O desentendimento entre João Doria e Geraldo Alckmin é mais um ponto da relação de altos e baixos que ambos têm. Padrinho político de Doria quando o empresário disputou e venceu a corrida pela prefeitura de São Paulo em 2016, Alckmin recebeu pouco apoio do candidato ao governo durante sua campanha para o Palácio do Planalto.

Aqui também foi assim

A propósito do que se passa com o ex-prefeito da cidade de São Paulo, e atual candidato ao governo daquele Estado, vivemos aqui no Acre, mais precisamente no Vale do Juruá, uma situação bem parecida, a envolver o atual prefeito de Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (PP), e seu antecessor, Vagner Sales (MDB).

Inimigos figadais

A briga entre o ex e o atual prefeito é figadal. A ponto de que os ataques políticos, os mais rasteiros já registrados nos anais políticos do Acre, que pela lógica teriam de ser dirigidos o ao PT – adversários históricos dos Sales –, são, na verdade, endereçados ao antigo aliado.

Vitória e rancor

Segundo reportagem do site Juruá em Tempo, durante a comemoração das vitórias de sua filha e esposa – respectivamente reeleita deputada federal e eleita deputada estadual – os ataques foram dirigidos contra Ilderlei, Isaac Pianko (prefeito de Marechal Thaumaturgo) e Rudilei Estrela – concorrente de Jessica derrotado nas urnas.

Gabarola

Vagner também não poupou o deputado reeleito Nicolau Jr., cunhado de Gladson. Chamou Rudilei de ‘candidato do governador’ (Gladson Cameli), como forma de se jactar do próprio ‘prestigio’ e a sugerir que, na comparação com Gladson, sua força política é maior.

Faca nos dentes

Nos bastidores, segundo o site cruzeirense, Vagner já fala que não aceitará menos do que a presidência da Assembleia Legislativa. Trata-se de um abacaxi que irá estourar cedo no colo da oposição. O governo nem sequer começou, e Vagner já se dirige ao aliado governador com a faca nos dentes.

Reconhecimento

Terminada a eleição, a independer do resultado, favorável à oposição após 20 anos de governo da Frente Popular, cabe ressaltar o esforço dos que atuaram de lado. No que diz respeito à atuação dos colegas que compuseram as assessorias de imprensa dos candidatos Marcus Alexandre e Gladson Cameli, é preciso reconhecer a força feminina.

Elas merecem

Do lado do candidato da situação, a divulgação das notícias ficou sob a responsabilidade da competente jornalista Andreia Oliveira, tão laboriosa quanto o candidato que defendeu. No campo oposto, o mesmo se tem a dizer quanto à colega de profissão Silvânia Pinheiro, braço-direito do governador eleito Gladson Cameli. Incansável, acessível e sempre competente, Silvânia recebe – tanto quanto Andreia – os parabéns da coluna pelo empenho demonstrado às funções que abraçou durante o período eleitoral.

Lambendo as feridas

Deputada estadual Eliane Sinhasique (MDB), que não conseguiu se reeleger para a Aleac, fez na noite da última terça-feira (8) um desabafo em forma, também, de agradecimento aos quase 5 mil votos que recebeu.

Questão de lógica

Segundo o que disse a deputada emedebista, ela prefere perder uma eleição a comprar votos. Ora, sendo que seu partido elegeu três representantes para o parlamento estadual, a pergunta é a seguinte: Eliane Sinhasique está a insinuar que os correligionários Roberto Duarte Jr. Meire Serafim e Antônia Sales captaram votos por meio do expediente que ela condena? Com a palavra, a digníssima deputada!

Bola murcha

Ao manter a candidatura da publicitária Charlene Lima, presa pela Polícia Federal sob acusação de fraudar licitações e desviar dinheiro público, o PTB fez uma aposta equivocada – conforme mostraram os resultados das urnas.

Placar desfavorável

Com a aposta de eleger a empresária para a Câmara Federal e pelo menos dois nomes para a Aleac, o PTB do Acre fez apenas um deputado estadual: e empresário Marcus Cavalcante.

Gratidão

A executiva regional do PP emitiu uma nota em agradecimento aos eleitores que guindaram, no domingo, 7, o senador Gladson Cameli ao governo do Acre.

Reconstrução do Estado

Com três deputados estaduais na composição da legislatura 2019-2022, o partido promete continuar lutando ‘pela autonomia da população acreana em todas as esferas econômicas e sociais’, a partir da implantação de políticas públicas que ‘devolvam ao Acre a oportunidade de reconstrução dos seus ideais de progresso’. O texto é assinado pelo presidente do PP, José Bestene, eleito para o parlamento estadual.