Traição

No âmbito da oposição, a rasteira come solta. A vítima da vez é o presidente do DEM, Tião Bocalom, que está sendo alvo do jogo baixo patrocinado pelo deputado Alan Rick, que a todo custo tenta lhe tomar a direção regional do DEM.

Desespero

Alan Rick atua nos bastidores da executiva nacional para impedir o lançamento da pré-candidatura ao governo do recém-chegado ao DEM, coronel Ulysses Araújo. Em Brasília, Alan Rick manobra para ser presidente do DEM e, assim, aplainar seu projeto de vida, que é ser vice na chapa de Gladson Cameli (PP).

Transgressor

Alan Rick está colocando em prática no DEM a mesma coisa que fez no PRB: busca controlar o partido para usá-lo em proveito próprio. O jogo traiçoeiro e baixo do deputado chama a atenção pelo fato de ele se declarar evangélico e temente à palavra de Deus.

Ouro de tolo

A propósito do jogo de capoeira da oposição, ontem o Coronel Ulysses Araújo disse ao site de notícias Contilnet, que, definitivamente, chegou a um denominador comum e lançará seu nome ao governo do Estado pelo Democratas (DEM), de Tião Bocalom, que vai concorrer a uma vaga na Câmara Federal.

Doce ilusão

Para o público externo, resta estabelecido que Tião Bocalom, ao avalizar a candidatura de Ulysses Araújo, cria um fato consumado. Ledo engano! Em Brasília o deputado Alan Rick crava a faca nas costas de Bocalom.

Noite das facas longas

A coluna apurou que em comum acordo com o presidente da Câmara dos Deputados, deputado Rodrigo Maia e com o prefeito de Salvador, ACM Neto – agora expoentes máximos dos Democratas –, Alan Rick costura barrar a candidatura de Ulysses Araújo e se apresentar como candidato a vice de Gladson, tarefa que já conta com a chancela do MDB de Flaviano Melo.

Me aguarde!

Ainda ontem, Alan Rick tocou sobre o assunto com um jornalista da cidade, dando conta que o presidente nacional dos democratas, senador Agripino Maia (DEM-RJ), não autorizou Bocalom a lançar Ulysses como candidato ao governo do Acre pelo ‘Demos’, até porque Bocalom nunca tratou isso na nacional e o presidente Agripino sequer conhece Ulysses Araújo. Nas expressões de Alan Rick, “Bocalom está passando por cima do diretório Nacional”.

Surpresa

A informação de que Vagner Sales estaria costurando um possível apoio à candidatura de Marcus Alexandre (PT) pegou muita gente de surpresa, a ponto de duvidarem da veracidade da mesma.

Origem

A notícia foi publicada inicialmente pela colunista política Gina Menezes, na quarta-feira, no site de notícias Folha do Acre.

Em tempo de Murici…

Na coluna, Gina afirma que o apoio de Vagner a Marcus Alexandre estaria condicionado a cargos e contratos da FPA no Juruá, e que o mesmo estaria interessado apenas em eleger a mulher e a filha.

…cada um cuida de si!

No Juruá, fontes ligadas ao ex-prefeito confirmaram que de fato houve entre os apoiadores de Vagner Sales a admissão de encetar conversa nesse sentido com Marcus Alexandre.

Moeda de troca

Sobre a notícia, analista político da taba diz que é preciso ter em mente o estreito pragmatismo com que Vagner Sales conduz as campanhas políticas. Nas variáveis levadas em conta pelo ‘Coronel Canela Fina’, cargos, salários e contratos são milimetricamente calculados para darem o necessário retorno na hora do voto.

Pragmatismo

E vai além: é por isso que não perde. Por mais que Jessica Sales tenha feito um mandato presente em Cruzeiro do Sul, sua reeleição está condicionada à construção desses apoios dentro da prefeitura.

O ‘X’ da questão

A candidatura de Rudilei Estrela, tio do prefeito Ilderlei Cordeiro, mina perigosamente as chances de vitória de Jessica. É vital para a sobrevivência política de Jessica, e de Vagner, a manutenção destes cargos.

Palco de ilusões

Foi justamente com esse pragmatismo de Vagner que o ‘favoritismo’ de Gladson parece ter entrado em confronto. Gladson deu sinais de que já estaria ‘ungido’ pela oposição e praticamente ‘eleito’, dispensando as costuras políticas que garantam os apoios para sua vitória.

Entrevista

Foto: Da Assessoria

O senador Jorge Viana (PT) foi entrevistado na manhã de ontem, 19, pelo jornalista Washington Aquino, da TV 5. E aproveitou para fazer uma avaliação do momento econômico e político que o Brasil e o Acre atravessam.

Lula

Jorge comentou sobre o julgamento do ex-presidente Lula (PT), que acontece no próximo dia 24, e as suas consequências políticas. Também revelou a sua visão sobre a sucessão ao governo do Estado e a disputa entre os oito candidatos ao Senado.

Marcha da insensatez

Sobre o assunto, o senador disse o seguinte: “Se o país seguir nessa marcha da insensatez vai acabar todo mundo brigando com todo mundo. Estamos vivendo um momento horrível na cúpula do poder, e quem está pagando a conta é o pessoal de baixo. Tem gente vendendo e não tem pra quem vender, empresários perdendo dinheiro, pessoas querendo trabalhar e não tem emprego. Tudo isso é um reflexo da nossa crise política e econômica. Tenho saudades de 10 anos atrás quando o Brasil estava crescendo, prosperando e todo mundo trabalhando”.

Vítima

O senador do PT também disse lamentar ‘que nesse processo a grande vítima seja o presidente Lula’. “Até o ministro do STF Gilmar Mendes está indagando: ‘Vocês vão condenar o presidente Lula sem ter provas?’”, disse ele.

Manipulação política

E prosseguiu: “Como é que ele pode ser dono de um apartamento que uma juíza já falou que é da OAS? O Lula é o único líder político brasileiro que tem representatividade no Brasil e no exterior. Por que o Nordeste adora o Lula? Anteriormente o Governo Federal nunca tinha dado a atenção devida aos nordestinos. Sei que tem aquela tese de que o bocado comido é o bocado esquecido. Mas nós nunca tivemos um outro presidente que trabalhou tanto. Temos que seguir acreditando na Justiça, no Ministério Público e na Polícia Federal porque é importante. Mas setores da Justiça parecem que estão a serviço de fazer uma manipulação política”.