Sindicato dos Atores investiga diferença de pagamento entre ator e atriz no filme “Todo o Dinheiro do Mundo”

Michelle Williams e Mark Wahlberg em cena de “Todo o Dinheiro do Mundo”. (Foto: Reprodução)

O Sindicato dos Atores de Hollywood está investigando os motivos para disparidade de salário entre os dois astros de Todo o Dinheiro do Mundo, filme de Ridley Scott que passou por refilmagens antes do lançamento. As informações são da Variety.

Michelle Williams e Mark Wahlberg estão entre os atores que tiveram que retornar para o set de filmagens de Todo o Dinheiro do Mundo após a demissão de Kevin Spacey do filme, em meio a acusações de assédio.

Embora tanto Williams quanto o diretor Ridley Scott digam que o elenco todo concordou em refilmas as cenas de graça, fontes do USA Today revelaram que na realidade Wahlberg recebeu US$ 1.5 milhão (R$ 4.7 milhões) pelas refilmagens, enquanto Williams foi paga US$ 80 (R$ 259) por dia, resultando em menos de US$ 1 mil (R$ 3.2 mil) no total.

“O SAG [sigla em inglês para o sindicato] é inequivocavelmente a favor da igualdade de pagamento entre homens e mulheres, mas está ciente que cachês acima do normal são negociados separadamente por agentes de atores. Estamos investigando as circunstâncias”, disse um representante da organização.

Todo O Dinheiro do Mundo | Christopher Plummer deu mais profundidade ao filme, segundo Ridley Scott

No filme, Christopher Plummer interpreta J. Paul Getty no lugar de Kevin Spacey – um dos homens mais ricos do século XX, ele causou polêmica ao inicialmente se recusar a pagar o resgate de seu neto, que foi sequestrado por bandidos.

A substituição de Spacey, que é bem mais novo do que Getty era na época e usava pesada maquiagem para encarnar o papel, veio após denúncias de assédio sexual e pedofilia contra o ator.

“Todo o Dinheiro do Mundo” estreiou nos cinemas norte-americanos em 22 de dezembro de 2017, sem previsão de estreia no Brasil.

 

Observatório do Cinema