Show de bola

Foto: Cedida/Arquivo

O candidato ao Senado da República pelo MDB, o ex-deputado federal Marcio Bittar, deu o famoso ‘drible da vaca’ nos correligionários ao escalar para 1º suplente de sua chapa o médico oftalmologista Eduardo Velloso, do PR.

Perda de tempo

Depois de uma reunião, no último final de semana, entre membros da executiva do partido e prefeitos do interior, entre os quais estava o glutão Mazinho Serafim, de Sena Madureira, ficou decidido que a esposa de Mazinho, Meire Serafim, seria indicada para a suplência de Bittar.

Motivos de sobra

Acostumado a mandar – e avesso a receber ordens –, Bittar ignorou a decisão dos correligionários e tratou de acelerar a oficialização de Velloso como suplente. Dizem que recebeu mais de um milhão de motivos para escalar o médico, que divide espaço no mesmo partido com a ex-deputada Antônia Lúcia Câmara.

Naufrágio

A manobra de Bittar deixou Mazinho a ver navios – com o agravante de que a irmã dele, a ex-deputada estadual Marileide Serafim, também no último fim de semana, declarado apoio às candidaturas de Marcus Alexandre ao governo, e de Jorge Viana e Ney Amorim ao Senado, durante a convenção da Frente Popular em Sena.

Banho gelado

Afrontado duas vezes, Mazinho sacou da manga do paletó o seu plano B. E foi assim que os aliados no município do Iaco, sôfregos pelo apoio do prefeito emedebista nas eleições para a Aleac, receberam um balde de água fria na cabeça.

A grande família

Por meio de uma rede social, o prefeito tratou de mandar um recado aos obsequiosos colaboradores: ao invés de ‘abençoar’ um deles, o emedebista vai mesmo é enfiar a filha Tamires na disputa por uma cadeira no parlamento estadual.

Curto e grosso

Escreveu Mazinho o seguinte: “Tamires terá o meu apoio total e de meus amigos. Com certeza será mais uma defensora das causas de Sena Madureira na Assembleia”. E fim de papo.

Quebrou dentro!

Circulou ontem, 8, a informação de que a deputada federal Jéssica Sales, do MDB, que pretende disputar a reeleição, poderá ter o seu pedido de registro de candidatura indeferido pelo Tribunal Regional Eleitoral do Acre (TRE-AC), já que ela estaria inadimplente com a Justiça Eleitoral.

Tá na lei

Jessica teria esquecido de fazer o cadastramento biométrico obrigatório e por isso seu título de eleitor estaria cancelado. Com a pendência, a legislação determina que ela fique impedida de votar e concorrer a qualquer cargo eletivo até a regularização cadastral.

Onze mil

Segundo o site Juruá em Tempo, em matéria baseada em dados do TRE-AC, além da deputada federal emedebista, outros 11 mil eleitores que residem na região do Vale do Juruá também estão na mesma situação de Jessica Sales.

Tranquilidade

A assessoria de imprensa da parlamentar do MDB tratou de desmentir a informação. Segundo foi dito a um site local, a deputada estaria ‘tranquila’ quanto ao assunto.

Estamos no aguardo

De acordo, ainda, com o assessor da deputada, ela deverá encaminhar hoje, 9, uma nota de esclarecimento sobre o assunto. Jessica promete também enviar às redações dos jornais, junto com o texto, os documentos que comprovam a regularidade de sua situação junto à Justiça Eleitoral.

Aprovado

O Senado aprovou ontem, 8, projeto de lei que proíbe a cobrança por marcação antecipada de assentos em voos comerciais – prática recentemente adotada pelas companhias aéreas no país.

Relatoria e voto a favor

Foto: Agência Senado

Relator da proposta no plenário, o senador Jorge Viana (PT) apresentou parecer favorável à iniciativa do senador Reguffe, autor do projeto, que seguirá para votação na Câmara dos Deputados.

Pauta do dia

“Matérias como essa, vinculadas à questão do transporte aéreo no Brasil, estão na pauta do meu mandato desde o primeiro ano”, disse Jorge Viana, acrescentando que sua luta sempre foi por mais voos comerciais e preços acessíveis aos consumidores da Região Norte, especialmente do Acre.

Número expressivo

Jorge ressaltou que subiu para 30 milhões o número de usuários que deixaram de utilizar o serviço de transporte aéreo no Brasil. Para ele, a criação de novas taxas, como a de despacho de bagagem, prejudicam ainda mais os brasileiros.

Todo cuidado nessa hora

A deputada estadual Eliane Sinhasique (MDB) pediu ontem, na Aleac, a suspensão da vacinação em adolescentes contra o vírus HPV, sob o argumento de uma dezena e meia de meninas no Acre estão apresentando sequelas.

Quem sabe mais?

Ocorre que as principais autoridades no assunto do país afirmam não haver comprovação de que a vacina contra o HPV cause quaisquer males à saúde. E alertam para o fato de o câncer de colo de útero decorrer, em 70% dos casos, do vírus HPV.

Irresponsabilidade

Já o deputado Jenilson Leite (PCdoB), em pronunciamento feito também na manhã de ontem, denunciou que o governo federal não está cumprindo com a obrigação de distribuir o medicamento Primaquina para o tratamento da malária.

Riscos

De acordo com o parlamentar, o remédio está em falta em todo o Brasil e pode causar sérias consequências para os pacientes.

Prejuízo maior

Os maiores prejudicados pelo vacilo do governo Temer são os moradores da região do Juruá, onde se atesta a maior incidência dos casos de malária no Estado.