Sem pecado capital

Liv Oliveira*

Com gula, ele quer sempre mais, nada o satisfaz.
Sua sede só me torna  voraz,
e quero destruir tudo do jeito que só quem pode, faz…

Na avareza, seu molde só conquista.
Será que ninguém enxerga que o que o satisfaz sempre faz tão mal? Afinal até ontem éramos irmãos…

Sua luxúria e seu poder enganam, e a sua liberdade sufoca.
Quem disse que pedi para quem eu nem conheço me libertar?
Tenho ira, pois quanto mais tento ser diferente me encontro reconhecendo nele.
Se não te admiro porque tento a te imitar?

A inveja me faz tolerar, esquecer e aceitar o que a minha própria moral tende a descordar, e por um lado, é tão bom só criticar…

A minha preguiça e as minhas tristezas me fazem crer que nada mais vai mudar. E se isso acontecer, será que posso suportar?

Só a soberba me faz crer que se eu estivesse no seu lugar faria diferente, seria melhor, e que você é sempre o errado, e que nunca deve ser amado.

* Liv Oliveira é graduada em história e direito.