Seis pessoas morreram por síndrome respiratória grave em 2018 no Acre, segundo Saúde

De 68 amostras coletadas no Acre, 34 deram positivo para presença de vírus respiratórios – Foto: Divulgação SES

Seis pessoas morreram de Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) no Acre nos quatro primeiros meses de 2018. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (12) pela Secretaria de Estado de Saúde do Acre (Sesacre).

A análise corresponde ao período compreendido entre 1º de janeiro a 1º de abril de 2018. De acordo com o boletim epidemiológico, o estado registra 34 ocorrências da doença este ano.

Foram coletadas 154 amostras nas quatro unidades sentinelas do estado, que são a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do 2º Distrito, Hospital de Urgência e Emergência de Rio Branco (Huerb), Hospital das Clínicas na capital e o Hospital Dr. Raimundo Chaar, em Brasiléia, no interior.

Do total de amostras, 68 foram analisadas e 50% deram positivo para a presença de vírus respiratórios circulantes. Dos casos positivos, 13 foram pelo vírus de Influenza B, nove Metapneumovírus e outros nove pelo VRS.

Conforme os dados, as crianças menores de 10 anos e jovens de até 19 anos foram as mais acometidas pelos vírus.

No total de infectados, foram cinco crianças menores de dois anos, outras sete de dois a quatro anos de idade, nove entre os cinco e nove anos e seis entre 10 e 19 anos. Desses, 13 foram pelo vírus de Influenza B.

Com relação às mortes, os dados apontam um óbito por Influenza B, que segundo a Saúde, foi o caso de um paciente de 34 anos. Além desse, houve mais cinco óbitos por Síndrome Respiratória Aguda Grave não especificada.

Portal G1/AC