Professor usa impressão 3D para criar modelos didáticos

O trabalho de um professor da Universidade Federal do Acre (Ufac) tem dinamizado as aulas do curso de Medicina Veterinária da instituição. Com o auxílio de três estudantes da graduação e oito pós-graduandos, Yuri Karaccas cria modelos didáticos 3D que são levados às salas de aula e estimulam o aprendizado.

A novidade faz parte de um projeto do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (Pibic) e de projetos da pós-graduação (em Sanidade e Produção Animal Sustentável na Amazônia Ocidental e mestrado profissional em Ensino de Ciências e Matemática), coordenados pelo docente, e desenvolvidos através do Laboratório de Tecnologias Educacionais 3D. A expectativa é ampliar a aplicação da metodologia, divulgando o uso dos modelos no ensino de Ciências também na educação básica.

“A utilização de modelos didáticos nos permite respeitar o estilo de aprendizagem de cada aluno, inclusive aqueles com deficiência, o que é cada vez mais comum no ensino superior”, justifica Karaccas. “A aprendizagem se dá no campo auditivo, visual, sinestésico e nas suas inter-relações; mas no caso da Medicina Veterinária, por exemplo, nem sempre é possível ter em mãos um modelo biológico. O modelo 3D cumpre esse papel.”

A fala do docente explica-se quando se leva em consideração fatores como o aumento de questionamentos bioéticos em pesquisas que utilizam animais, o alto custo para aquisição de modelos biológicos, as especificidades e perigos para armazenamento desses materiais, a necessidade de técnica para manuseio ou, simplesmente, a indisponibilidade de uma peça para estudo.

“Para o ensino prático, precisamos de casuística; ou seja, o paciente precisa chegar ao hospital. Vamos considerar o estudo de fraturas. Na prática, acaba sendo muito possível que o aluno saia da academia sem oportunidade de visualizar todas elas”, argumenta Karaccas. “Ocorre que, com a impressão 3D, temos a chance de reproduzir qualquer peça com rapidez e praticidade. Fazemos o modelo, apresentamos aos alunos e o resultado é que eles chegam ao mercado de trabalho muito mais bem preparados.”

O projeto

O Laboratório de Tecnologias Educacionais 3D da Ufac é o primeiro do Estado a utilizar a tecnologia de impressão tridimensional para reprodução de modelos didáticos aplicados ao ensino. As impressões são garantidas a partir da utilização de três impressoras e um scanner 3D conectados a um computador com software específico.

Para dar início à reprodução, utiliza-se um sistema que cria uma espécie de desenho da peça que se deseja imprimir. No software, são feitas as definições de dimensões e a partir daí o processo segue os mesmos padrões de uma impressão tradicional, com a diferença de que a base deixa de ser o cartucho de tinta para ser um filamento 3D, produzido a partir de materiais como resina de petróleo, garrafa PET, soja etc.

Com os equipamentos disponíveis, são impressas peças pequenas, a partir de 12 centímetros, com tempo de impressão variável, dependendo do tipo do protótipo. Para uma falange de cavalo de 12 centímetros, por exemplo, são necessários 27 gramas de filamento e duas horas para impressão completa, ao custo de R$ 3,50.

O projeto “Modelos Didáticos 3D: Tecnologia e Inovação Aplicadas ao Ensino de Ciências” faz parte de uma pesquisa de mais de quatro anos do professor Yuri Karaccas. O docente é bolsista de produtividade em Tecnologias Educacionais e Sociais, com ênfase na criação de modelos anatômicos 3D aplicados ao ensino de Ciências e Ciências Médicas, pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

“Em um futuro próximo, a impressão 3D fará parte do nosso cotidiano e essa tecnologia se tornará acessível à sociedade. Através desse projeto, conseguimos, por um lado, facilitar o ensino-aprendizagem e, por outro, colocar o aluno em contato com uma tecnologia inovadora, deixando-o na vanguarda para explorar um mercado de trabalho ainda aberto”, conta o professor.

O objetivo da pesquisa é, também, transferir tecnologia educacional 3D para o setor social e produtivo, através da capacitação de novos alunos e professores.

Ascom Ufac