Perto de Deus

No momento de comunhão e reflexão é uma oportunidade de Deus avivar sonhos, dar diretrizes.

A Bíblia diz que depois de encontrar alguns dos discípulos, Jesus seguiu e foi até a praia e lá viu alguns pescando entre eles estava Pedro. E Jesus disse; Segue-me e eu farei de vocês pescadores de homens.

Prontamente eles soltaram as redes e seguiram a Jesus. Foram fiéis. Sabemos que Pedro era impulsivo que até mesmo com arma ele tentou defender Jesus. Por fazer avaliações prematuras das coisas ele se precipitava no falar.

Quando Jesus disse: “Todos vão me abandonar”,  ele disse: “Eu não Senhor. estarei com você até a morte”. Ele estava mentindo? Não. Ele só não sabia com o que estava se comprometendo.

Às vezes, nós fazemos coisas por impulso e Deus consegue extrair adoração disso. Isso não quer dizer que é um perfeito comportamento. Mas, Deus sabe o que está motivando aquele exagero.

Jesus disse mais ou menos assim: “Pedro eu não te reprovo por isso, mas não vai ser assim como você está dizendo. Antes que o galo cante você me negará três vezes”.

Eu acho que Pedro disse: “Ele não me conhece!“.

Mas, quando as circunstâncias nos cercam, ás vezes, o calor faz algo diferente se apresentar que nem conhecíamos. No calor de uma situação podemos nos comportar de formas que nós mesmos nos desconhecemos.

Eu já aconselhei pessoas que elas não sabem explicar determinados comportamentos. Porque elas jamais pensariam em fazer aquilo, mas talvez no calor de uma discussão disseram palavras erradas, tiveram comportamentos errados. Todavia, Deus que conhece os corações  sabe onde existe um valor.

Pedro ainda esteve de certa forma perto do mestre, ou seja, tentou manter a sua palavra, mas ele começou a ver a gravidade das conseqüências que estava acontecendo com Jesus e  pensou provavelmente: “isso pode acontecer comigo também”.

E Pedro foi negando e nem percebia que estava cumprindo com o que o mestre havia declarado anteriormente. Mas, Jesus é tão bom que nos dá alguns referenciais para nos ajudar sendo aquela lanterna na escuridão das circunstâncias.

Pedro teve um galo como pregador. Quando o galo cantou, despertou nele a lembrança. Ao perceber que havia negado, em um dos evangelhos relata que ele e Jesus se olharam nesse momento.

Diz que naquele momento uma decepção, uma frustração veio sobre ele. O fazendo sair e chorar amargamente. O que quer dizer isso? Frustração, desistência? Aquilo que você imaginava ser e não conseguiu, aquilo que você pensava alcançar e não alcançou?

Você acha que Deus está estranhando ou se surpreendendo com você? Deus tem GPS e ele sabe para onde você está indo.

Quando fazemos algo que nos machuca por dentro, assim como Pedro, nós queremos sair de perto das pessoas, e pela continuidade dos relatos percebemos que Pedro após Jesus ressuscitar já não estava mais no mesmo lugar dos discípulos. Jesus inclusive disse: “avisa aos meus discípulos e a Pedro”. Ou seja, não deixem Pedro de fora! Que coisa tremenda é observarmos o Deus que nós servimos!

Sabemos que houve todo esse processo e Pedro ficou motivado de novo. Mas, diz que depois que Jesus morreu e ressuscitou Ele apareceu, alguns dias se passaram e diz que depois disso, Pedro foi tomado de novo pela pressão. “Não tenho mais futuro!”, pensou ele.

Eu não sei se ele recebeu mesmo o perdão de ter negado Jesus. A gente não vê nesse período Jesus conversando com Pedro sobre ele tê-Lo negado.

Pescar era pegar o caminho de Emaus para Pedro. Porque Jesus já tinha dito eu vou fazer de você pescador de homens. E ele já tinha abandonado as redes. Deus está alcançando pessoas que já tinham abandonado. E que estão cogitando a possibilidade de pegar de novo as redes.Contudo, Deus marcou um encontro com você cara a cara, para comunhão, Pai e filho.

Vou pescar para Pedro queria dizer: “Desisto da esperança do chamado! Desisto da possibilidade de ser aquele que vai dar continuidade. Para mim acaba aqui essa ideia de cristianismo”. E diz que ele era influente e tinha um espírito de liderança, outros o acompanharam e foram pescar.

Jesus ligou o GPS para procurar aonde estava Pedro. Jesus o encontra e a Bíblia diz que eles prepararam peixe e pão e comeram juntos. Com isso, eles tem um momento de comunhão e sabemos que existem coisas que precisam ser ditas na calmaria, na comunhão.

Nesse momento de comunhão Jesus pergunta: “Pedro, tu me amas?”. Um diálogo direto para resolver as questões mal resolvidas, para eliminar dúvidas, (acho que Jesus percebeu que ele tinha dúvidas do seu perdão e propósito para ele)

E a resposta de Pedro foi: “Sim Senhor, eu te amo!“

Pedro era precipitado e, para um precipitado as primeiras palavras não têm muita importância, porque fala por impulso. Jesus então pergunta mais uma vez: “Pedro, tu me amas?”. Para Jesus, respostas devem ser refletidas e devem ter profundidade.

Jesus ao ouvir mais uma vez a mesma resposta declara: “Apascenta as minhas ovelhas!”.

Jesus perguntou por três vezes. Amados, que insistência é essa do mestre? Isso não demonstra a dedicação que Jesus estava tendo na vida de Pedro? Não demonstra a profundidade que Ele queria alcançar na vida de Pedro?

Isso demonstra o valor da pessoa, ao ponto de se concentrar nela até ter resolvido completamente qualquer sombra de dúvida. O fato de perguntar três vezes forçou Pedro a mergulhar numa reflexão, porque diz que ele se entristeceu por Jesus ter perguntado pela terceira vez.

E então, ele veio com uma resposta que saiu do coração: “Sim senhor, tu sabes que eu te amo”.

Você percebe que o tratamento com Deus é individual, intenso e persistente?

Porventura Deus não está sinalizando a você neste texto para que qualquer tipo de frieza ou desistência que você esteja passando seja removida?

Tem pessoas que decidiram andar com Deus, mas sem fervor. Decidiram se manter crentes, evangélicos, freqüentadores da igreja, mas não com intensidade. Decidiram ser admiradores, mas não discípulos dedicados. Pessoas que as experiências marcaram com frustração.

Deixe Deus te alcançar com respostas e o fervor voltará ao seu coração.

Vale a pena andar em santidade, sustentando a bandeira da verdade.

Pastor João Roberto

Presidente da IVV Campina Grande