Novos conflitos em Xapuri

Este ano faz 29 anos que o líder seringueiro Chico Mendes morreu assassinado em Xapuri. Ele lutava pelo direito do homem à posse da terra, lutava contra a exploração dos grandes latifundiários e contra a devastação da floresta que extinguia o modo de vida tradicional das populações da floresta.

Passado todo esse tempo, era para se supor que os conflitos agrários na região tivessem sido superados. Ledo engano!

Em Xapuri, neste momento, famílias de extrativistas, trabalhadores rurais, correm o risco de serem expulsos de suas terras e pedem socorro para que a violência não volte a imperar na região.

O pior é que, mais uma vez, esses trabalhadores têm contra si liminares que ignoram anos e anos de ocupação e lhes ameaça tirar o direito de continuar vivendo onde, por gerações, coexistiram pacificamente com a natureza sem que ninguém viesse lhes importunar ou lhes ameaçar retirar à força. Liminares que nunca reconhecem o direito de usucapião ou outros instrumentos legais, por exemplo. O Judiciário que deveria ser um meio de garantir justiça a quem realmente precisa, se torna a ferramenta que apoia o braço do poder contra os mais fracos. Lamentável!