Mercado reduz em 0,1 ponto percentual a previsão de alta do PIB para 2017

Dados foram divulgados nesta segunda-feira (19) no boletim de mercado do Banco Central – Foto: Arquivo/Agência Brasil

Os analistas de mercado ouvidos pelo Banco Central reduziram a previsão de crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) deste ano. A nova estimativa é que a atividade econômica do Brasil crescerá 0,4%. Na semana anterior, era de 0,41%. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (19) no boletim de mercado do Banco Central, também conhecido como Boletim Focus.

Para 2018, os analistas também reduziram a previsão de crescimento do PIB de 2,30% para 2,20%.

Com menos atividade econômica, os analistas entrevistados também preveem menos inflação para 2017 e 2018. A estimativa para o Índice de Preço ao Consumidor Amplo (IPCA), a inflação oficial, de 2017 caiu de 3,71%, no boletim divulgado na semana passada, para 3,64%. Já para o próximo ano, a previsão para a inflação caiu de 4,37% para 4,33%.

Juros

Pela décima semana seguida, os analistas de mercado ouvidos pelo BC mantiveram a previsão de que a taxa básica de juros, a Selic, chegará no final do ano em 8,5%.

Os analistas também mantiveram estável a previsão da taxa de câmbio no final de 2017 em R$ 3,30.

Para o fim de 2018, a previsão da Selic dada pelos analistas também se manteve em 8,50%, já para a taxa de câmbio a estimativa é que ela feche o próximo ano em R$ 3,40.

Balança e investimentos

Após 12 semanas seguidas prevendo um aumento do superávit da balança comercial brasileira, os analistas ouvidos pelo Banco Central pioraram a estimativa para a balança de 2017.

Segundo o Boletim Focus, o mercado espera que a diferença entre o que o que o Brasil vender e comprar fique em US$ 57,40 bilhões. Na semana anterior, a previsão era de US$ 57,80 bilhões.

A previsão de entrada de investimento estrangeiro no país também caiu, passando de US$ 80 bilhões para US$ 78,57 bilhões. Para 2018, o mercado também reduziu a previsão de entrada de investimentos estrangeiros no país de US$ 80 bilhões para US$ 78,75 bilhões.

G1