JURAMENTO

José Augusto Fontes

Tive um sonho, um triste pesadelo. E aconteceu de verdade.
Vi lobby, conversinha de pé de ouvido, poder que se dá bem.
Visitinha de conveniência. Cartas marcadas e troca de favores.
Cara cínica de isenção. O resultado cantado dias antes, rumores.
Tenham vergonha! Quanta hipocrisia e deslealdade!
Isso é falta de ética, de probidade e de honestidade!
Nisso acordei. Isso não me cabe nem merece. Jamais faria parte.
Minha túnica é limpa, minha espada é reta, meu martelo é justo.
Limpo a vista, ouço meu coração, toda a razão. Sou Augusto.
A confraria atua em impedimento. Foi outro meu juramento.
Nem de longe digo amém para podres poderes e quereres.
Meu sonho pede decência. Estou fora! E me sinto além.