Informe que vem do Juruá

Foto: Da Assessoria

A assessoria de imprensa do senador Gladson Cameli, pré-candidato ao governo do Estado pelo PP, informou ontem, via release enviado às redações dos jornais, que ele se reuniu com diretores e coordenadores administrativos de escolas do município de Cruzeiro do Sul para tratar sobre investimentos em políticas de educação, cultura e esporte. A ideia é que isso arrefeça o quadro de violência em que vivemos no Acre e no restante do Brasil.

Conversa cá, conversa lá

Segundo o autor do texto o parlamentar do PP “tem demonstrado sua preocupação durante conversas com moradores da região, que externaram” a ele suas opiniões sobre os números apresentados pela Rede Globo, no último domingo (10), através do programa Fantástico.

Esporte

O release cita ainda que o senador do PP, ao lado da esposa, Ana Paula Cameli, esteve ginásio poliesportivo Jader Machado, durante os jogos escolares.

Desafios

A narrativa dá conta de que o governista teria ouvido do secretário municipal de Cultura, Turismo, Esporte e Lazer, Aldemir Maciel, que há muitos desafios a serem vencidos até que a população possa respirar aliviada em relação à violência.

Mais encontro

Em reunião com representantes de entidades civis, movimentos sociais e associações sem fins lucrativos que atuam na recuperação de dependentes químicos, Gladson pôde tratar com todos eles sobre temas de interesse da sociedade cruzeirense, em especial a segurança pública.

Parentalha

Desse encontro participaram ainda a ex-primeira-dama do Estado Beatriz Cameli e o presidente da Associação Comercial do Alto Juruá (Acaj), Assem Cameli, ambos parentes do senador.

Recursos

Segundo o escriba, Gladson falou sobre sua atuação parlamentar em Brasília em consórcio com a bancada federal acreana na tentativa de liberar emenda no valor de R$ 39,3 milhões a serem destinados à aquisição de equipamentos de segurança, viaturas, armamento e fardas para os agentes de segurança pública do Acre.

Mais do mesmo

O parlamentar pepista não esqueceu de mencionar a necessidade de mais investimentos na economia estadual, a fim de que se incentive e fortaleça a iniciativa privada – e com isso se possa gerar mais oportunidades de emprego e geração de renda.

O óbvio ululante

Como o leitor pôde constatar, no resumo feito pela coluna do informe prestado pela assessoria de comunicação do postulante ao governo, o pepista não tem uma ideia mestra sobre como combater a criminalidade.

Sem forma

Tudo que faz o senador é dizer que ouviu as pessoas comuns e os representantes de classe antes de acrescentar à velha e conhecida receita algumas porções de ingredientes que todos sabemos necessários ao cozimento do bolo. Falta a Gladson, porém, fôrma para dar a ele o formato ideal.

Sem-noção

Gladson, como podemos prever, nada entende de segurança pública. E justamente por isso não é capaz de uma só ideia, um norte que seja para iniciar um processo de combate ao crime organizado, que não domina territórios e impõe suas próprias leis apenas no Estado do Acre.

Oco

De tão oco que vem a ser o seu discurso sobreo o tema, resta à sua assessoria de imprensa percutir as platitudes do pré-candidato a governador em sua andança por Cruzeiro do Sul.

Questões para refletir

Aliado do presidente Michel Temer (MDB), o senador bem que poderia usar de sua influência para fazer mais pela segurança dos acreanos. E se não se dá a esse trabalho, há apenas duas suposições a fazer: ou ele não tem cacife nenhum com o mandachuva emedebista, ou está pouco se lixando para a violência do dia a dia.

Segurança não lhe falta

Afinal, moço rico e por isso sempre bem guardado, pode se dar ao luxo de andar com escolta pessoal e usufruir, sempre que lhe dá na telha, das paisagens de Miami – estado norte-americano que não cansa de visitar.

Ócio criativo

E não obstante desconhecer um assunto sobre o qual tenta despejar conhecimento sobre a cabeça do eleitor, o Sr. Gladson Cameli tampouco se dá ao trabalho de estudar.

Prova cabal

A prova de que não nem sequer sabe o que faz no Senado foi dada ontem por esta coluna, em texto que retrata uma fala sua, segundo a qual teria tido audiência com o ministro Raul Jungmann, ocasião em que supostamente teria ouvido que para garantir a segurança da fronteira, o governo estadual deveria enviar um pedido formal ao Palácio do Planalto, a fim de que seus ocupantes façam aquilo que lhes cabe fazer.

A lengalenga de sempre

No final das contas, a segurança pública não é o único tema sobre o qual o candidato a representante do povo nada tem a dizer de lúcido. E como todas as vezes que precisa falar do que não sabe, Gladson se adianta em assegurar que, para se resolverem os problemas, basta que se coloque a pessoa certa no lugar certo.

A soberania do voto

Caberá ao eleitor, portanto, decidir se Gladson é o sujeito certo para ocupar o cargo de governador do Estado.

Dinheiro em caixa

O senador Jorge Viana (PT) liberou R$ 5,6 milhões, oriundos do Ministério das Cidades, para sete municípios do Acre: Rio Branco, Brasileia, Cruzeiro do Sul, Feijó, Sena Madureira, Tarauacá e Xapuri serão os contemplados com obras para a melhoria da malha viárias urbana.

Aporte

Rio Branco, onde reside mais da metade dos moradores do Acre, ficou com a maior parcela dos recursos: R$ 2 milhões, seguida de Brasileia (R$ 700 mil), Sena Madureira e Xapuri (R$ 500 mil cada uma), e por fim Cruzeiro do Sul, Feijó e Tarauacá (300 mil).