Ex-prefeitos e vereadores são presos pela Polícia Federal em Brasileia e Rio Branco nesta manhã

Delegados Henrique e Fares Feghali

A Polícia Federal (PF) desencadeou na manhã desta quarta-feira, 13, a Operação Dolos-apate, quarta-fase da Operação Labor que teve início no ano passado. Foram executados sete mandados prisão de 37 mandados, sendo sete de prisão preventiva, 14 de busca e apreensão e 16 de condução coercitiva em Rio Branco e em Brasileia. Entre os presos estão dois ex-prefeitos de Brasileia e um de Plácido de Castro, vereadores, ex-vereadores e ex-secretários municipais. Os ex-prefeito de Brasileia Everaldo Gomes e Aldemir Lopes, ambos do PMDB, estão entre os presos.

Além disso, foi determinado o afastamento de três vereadores, bem como o bloqueio de contas e sequestro de bens de 14 investigados.

Mais de 90 policiais federais estão cumprindo os mandados judiciais – 31 na cidade de Brasileia e seis em Rio Branco. A operação foi comandada pelos delegados federais Henrique e Fares Feghali.

De acordo com informações divulgadas pela assessoria da PF, a operação tem por objetivo desarticular organização criminosa formada por empresários e agentes políticos suspeitos de atuaram em conluio para fraudar licitação, realizada no primeiro semestre de 2013, que possuía como finalidade a contratação de empresa de fornecimento de mão de obra terceirizada à prefeitura de Brasiléia.

“Após a obtenção de êxito na escolha da empresa ligada à organização criminosa, agentes políticos eram responsáveis por realizar empenhos acima do necessário para efetivar os pagamentos dos serviços realizados de fato. A diferença entre o valor empenhado e real valor devido pelos serviços prestados eram sacados por representantes da empresa e entregues, em espécie, a membros do Poder Executivo local, que eram responsáveis por efetivar a distribuição dos valores entre integrantes do próprio Executivo, do Poder Legislativo e de “laranjas” indicados por membros da organização.

Segundo o que foi levantado pela PF, o valor desviado supera R$ 1 milhão.

Na mitologia grega, Apate e seu correspondente Dolos são espíritos que personificam o engano, a fraude e a malícia.

No decorrer das investigações, restou comprovado que a atuação de dois ex-prefeitos do município de Brasiléia foi decisiva para o cometimento dos mais diversos ilícitos.

O nome da Operação é uma referência direta à atuação desses dois indivíduos, que ocupavam posições de comando na Organização Criminosa formada para dilapidar o erário público daquele município.

Com informações da Ascom da Polícia Federal