DIREITO DE ESQUECER

A essência do homem,
É sua memória, – o DNA de sua alma.
É o registro de suas dores, alegrias,
ao longo de sua trajetória.

Desperto, as vê aonde mira,
Se dormido, habita nos seus sonhos,
Até mesmo inconsciente,
Dizem, a lembrança permanece
Mesmo que latente.

Se de sua memória tem ódio,
Dela não pode desvencilhar-se
Há de se com ela reconciliar-se.
Pois o acompanha ultramar,
Nos céus, onde possa pisar.

E mesmo quando a memória
Constantemente molesta
Trazendo saudade, dor, e lamento,
Sem remédio, seu único antídoto,
É o Alzheimer, o esquecimento.