Depasa inicia novas medidas de contingência no abastecimento do Bujari

Abastecimento da cidade agora está sendo dia sim e dois não – Foto: Cedida

O Departamento Estadual de Pavimentação e Saneamento (Depasa) adotou nesta semana as novas medidas de contingência ao fluxo de distribuição de água para Bujari após o início do verão amazônico. Cerca de 20 técnicos da autarquia atuam no reparo da rede domiciliar, combate aos vazamentos em vias públicas e orientações aos consumidores para evitar o desperdício de água.

“Mobilizamos diversos maquinários para atuar em intervenções emergenciais, além de reparos em canos e tubulações para evitar o máximo de perda de água possível. Também articulamos os agentes sociais da autarquia para ir às casas dos moradores entregando material pedagógico e dialogando com a comunidade em prol do uso racional da água”, informa o diretor de operações do Depasa, David Bussons.

O gestor lembra que outra ação adotada pela autarquia foi o aumento da intermitência na rede de abastecimento do município, que atende mais 1.500 ligações domiciliares na área urbana.

“Com a ausência da chuva, o Igarapé Redenção parou de escoar água no nosso reservatório. Então, se apenas captar água do açude e não houver reposição, a tendência é que ele seque. Assim, temos que preservar o máximo de água no reservatório neste período de estiagem”, destaca Bussons.

Segundo o gerente do Depasa no Bujari, Cleyton Teixeira, o abastecimento da cidade, que normalmente é feito dia sim e outro não, agora está sendo dia sim e dois não.

“Temos a estimativa de que essa medida seja adotada até o fim de setembro ou com a estabilização das chuvas na região do reservatório. Por isso, orientamos os consumidores a usarem a água tratada de modo consciente, economizando e evitando desperdício”, relata Teixeira.

Residente na Rua Expedito Moreira, a autônoma Francisca Alencar comenta positivamente sobre dessdes trabalhos itinerantes feitos pelo Depasa. “Fico feliz por ver estas atividades contra o desperdício de água, pois no ano passado, vivemos tempo de seca muito forte e só não ficamos sem água porque o governo enviou caminhões-pipas. Agora, para evitar que essa situação se repita, vamos cuidar logo da nossa água”, comenta.

Seca de 2017

A estiagem deste ano agravou as dificuldades no processo de captação de água, pois o açude da Estação de Tratamento (ETA) diminuiu de cinco metros para 30 centímetros em seu ponto mais profundo e, consequentemente, provocou a implantação de medidas de racionamento na cidade.

Bujari foi uma das regiões onde foi decretada situação de emergência por causa da estiagem. A publicação consta no Diário Oficial do Estado do Acre (DOE) e foi decretada pelo governador Tião Viana no dia 25 de agosto. Para superar os desafios garantir o fluxo de abastecimento de Bujari, a autarquia recebeu o auxílio de carros-pipa para atender as mais de 1.500 ligações domiciliares na área urbana.

Da Redação