De tudo o que é sonho só restou o Neymar!

Transcrevo hoje no Espaço do Anchieta, os versos de um poeta do cordel, nascido em Canindé (CE), Pedro Paulo Paulino, de aguçada ironia quanto aos valores atuais da sociedade. Sabemos da importância do Neymar para nosso principal divertimento, o futebol, mas precisava o dedo do cara provocar tamanho alvoroço? Ocorre que Neymar, com sua arte, sua conta bancária, seu jatinho e a Bruna Marquezine sentada no colo, nem precisa se quebrar para causar tanto tumulto.
Entrou para a Mitologia… e o povo precisa disso. É o cara!

Autor: Pedro Paulo Paulino

Jornais, rádio, internet,
Canais de televisão,
A imprensa brasileira
Volta completa atenção
Para um fato aterrador:
O dedo de um jogador
Comove toda a nação.

Dedo mindinho do pé,
Que num momento infeliz,
Jogando bola distante
Na cidade de Paris,
Foi de repente atingido,
E o fato só tem sido
A desgraça do país.

A pátria inteira parou
Com esse acontecimento!
Um dedo do pé direito
Vem causando sofrimento
A milhões de brasileiros:
Prantos, gritos e berreiros
Se ouve a todo momento!

A imprensa, sempre atenta,
Não guarda nenhum segredo.
Doutores de gabarito
Acordaram hoje cedo,
Para uma junta formar
E com cuidado operar
Durante o dia esse dedo.

Não faltam, para esse membro,
Cuidados especiais,
Que será tratado em um
Dos melhores hospitais
Do Brasil e o mundo inteiro.
Coisa pra quem dinheiro
E fica em Minas Gerais.

Reportagens, todo o tempo,
Estão a noticiar.
Na hora da cirurgia,
Todo o Brasil vai parar
Para ver o que acontece
E muitos vão fazer prece
Pelo dedo do Neymar.

Segundo comunicou
O velho José Simão,
Vai ter cobertura ao vivo
Em toda televisão;
A Globo até vai mandar
Ao local, pra comentar,
O baba-ovo Galvão.

Porque, segundo a notícia,
Quando o fato aconteceu,
Uma equipe logo veio
E o atleta socorreu,
Mas naquela ocasião
Foi o rabo do Galvão
O lugar que mais doeu!

Violência no país,
Ninguém quer mais comentar;
Eleições pra presidente,
Nisto nem é bom falar;
O assunto agora é
O dedo “mindim” do pé
Do tal jogador Neymar

Que tragédia pra nação!
Que comoção e que dor!
Toda a mídia brasileira
Dirigiu seu refletor,
Entre fevereiro e março,
Para o quinto metatarso
Do pé desse jogador!

Já pensou se esse dedo
(Deus o livre, credo em cruz!)
Tivesse que ser tratado
Pelos hospitais do SUS,
Onde só tem assistência
Da divina Providência
E os milagres de Jesus?!

O dedo que foi comprado
Por quase um bi de reais
(Nem mesmo o dedo de um santo
Vale tantos cabedais!)
Não é um dedo comum
E será tratado em um
Dos melhores hospitais.

Reforma da Previdência,
Mil tributos a pagar,
Inflação, custo de vida
Só subindo sem parar,
Massacre à população,
Mas nada chama atenção
Como o dedo do Neymar!

Falcatruas no Congresso,
Um presidente impostor
Metendo sem pena a faca
No povo trabalhador,
Rede Globo intolerante,
Mas nada é mais importante
Que o dedo do jogador.

Enquanto houver gente besta,
Sabido não vai faltar.
Há milhões de brasileiros
Morrendo de trabalhar
Numa pátria corrompida,
E a mídia comprometida
Com o dedo do Neymar!…