Daniel Zen comenta o bom desempenho do PIB acreano

O deputado estadual Daniel Zen, presidente do Partido dos Trabalhadores e líder do Governo na Assembleia Legislativa, falou neste domingo sobre o bom desempenho do Produto Interno Bruto (PIB) do Acre, registrado no período entre 2002 e 2015, período esse que teve a Frente Popular no comando do Estado com os governadores Jorge Viana, Binho Marques e Tião Viana.

Zen fala sobre o modelo de desenvolvimento escolhido para a economia do Acre, modelo esse que vem dando certo, haja vista os próprios números apresentados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísticas (IBGE).

Leia abaixo a íntegra da postagem feita pelo parlamentar nesta manhã:

O bom desempenho da política econômica do Acre

Mais uma excelente notícia, para alegrar nosso domingo: o PIB do Acre cresceu 81,2% entre 2002 e 2015, quarto maior crescimento do Brasil nesse período.

Não importa o que dizem os membros da oposição, o grande pecuarista ou o dono de pedreira: a cada discurso zambeta de quem quer que seja, se sobrepõe um fato, comprovado por um dado, que nos mostra uma realidade, que é inexorável: o modelo de desenvolvimento do Acre está dando certo!

Esse modelo de desenvolvimento (que eles consideram errado) é o modelo baseado no conceito de economia de base diversificada, a partir dos pequenos empreendimentos, tanto na zona urbana quanto na zona rural. É o modelo que procura incluir os pequenos, sem excluir os grandes. É o modelo que mais se coaduna com os princípios de democracia e de justiça social, que pressupõe sim o crescimento econômico, mas, com geração de emprego, distribuição de renda, redução das desigualdades e proteção ambiental.

Nada contra os grandes, mas o que eles (os grandes) querem é mais isenção de impostos e menos interferência do Estado. Menos regras, menos limites, menos direitos trabalhistas = menos custos de produção, menos encargos sociais, mais lucros… Não estão preocupados com os pequenos, com a geração de empregos, com a distribuição de renda ou com a redução das desigualdades. Só se preocupam com o crescimento, conquanto o deles esteja garantido.

Só não aprenderam ainda que esse modelo de estado mínimo, que lhes deixa mais ricos, mas gera mais desigualdades e, portanto, mais insatisfação social, é um modelo datado, superado, esgotado: deu errado em todo lugar do mundo em que foi levado a efeito.

Nesse caso, vale o ditado popular: os cães (e os melancólicos) ladram, mas a caravana não para…