Convescote

Foto: Da Assessoria

O deputado federal Alan Rick (DEM) fez divulgar ontem, 23, que se reuniu na tarde de quinta-feira, 22, em Brasília, com o presidente da executiva nacional do Democratas, senador potiguar Agripino Maia. No encontro foram discutidos os rumos do partido no contexto nacional e também no Estado do Acre.

Autismo

Segundo Alan Rick: “Foi uma reunião muito objetiva”.  Ainda segundo o parlamentar acreano, “O momento é de debate sobre o futuro do Brasil, a geração de emprego e combate à corrupção”. Quando fala no combate à corrupção, Rick constrange seu líder maior, o senador Agripino Maia, e deixa patente desconhecer a confraria que ora frequenta.

O rei está nu!

O jornal O Globo, de 12 de dezembro do ano passado, traz a seguinte notícia: ‘Senador Agripino Maia se torna réu por corrupção e lavagem de dinheiro’. E diz: “A Primeira Turma do Supremo Tribunal Federal (STF) aceitou nesta terça-feira (12) denúncia contra o senador Agripino Maia (RN), presidente nacional do partido Democratas”.

Sacripanta

E segue: “Acusado de corrupção e lavagem de dinheiro pela Procuradoria-Geral da República (PGR), ele (Agripino) agora responderá como réu a um processo penal. Segundo a PGR, Agripino teria recebido mais de R$ 654 mil em sua conta pessoal, entre 2012 e 2014, da construtora OAS. A pedido do senador, a empreiteira também teria doado R$ 250 mil ao DEM em troca de favores de Agripino”.

Favores

Ainda: “A acusação diz que ele teria ajudado a OAS a destravar repasses do BNDES para construir a Arena das Dunas, estádio-sede da Copa do Mundo em Natal. A ajuda teria ocorrido na suposta interferência para que o Tribunal de Contas do Rio Grande do Norte deixasse de informar ao BNDES eventuais irregularidades no projeto executivo da obra. Essa era uma condição para o repasse do empréstimo”.

Tema tabu

Pelo que se observa, o parlamentar acreano tem que ser mais cioso na abordagem de temas que envolvem valores comuns e endógenos aos cidadãos de bem, mais exógenos às lideranças do partido que congrega. Se bem que no Acre tudo pode! Quem não lembra em 2015 o emedebista Aldemir Lopes, em praça pública, assenhorado da honestidade, bradando contra a corrupção e outros malefícios que infortunam o Brasil?

Balseiro

Quando a gente pensa que as tretas no interior da oposição acabaram, eis que começam a escapar para as luzes do dia novos fatos e acontecimentos. Como diz um amigo deste articulista, “são camadas dentro de camadas, golpes por dentro de golpes, é um balseiro só!”.

Tretas e tretas

Senta que lá vem a história! Sabe o leitor por que o prefeito do Cruzeiro do Sul, Ilderlei Cordeiro (MDB), está lançando um parente seu candidato a federal? Primeiro vamos rememorar que Iderlei saiu candidato a partir da usina política do PP, portanto do senador Gladson. O grupo associado a Iderlei quer rifar o ex-prefeito da cidade Vagner Sales da cena política do Juruá. Entendeu?

Que tiro foi é esse?

Candidatura a federal do grupo do Iderlei, que por sua vez é do mesmo grupo de Gladson, bate de frente com a candidatura a reeleição de Jéssica Sales, que vem a ser filha de Vagner. Desenhando: Vagner está sofrendo erosão política a partir dessas manobras, o nome é disso é o que leitor?

Pensa que acabou? Tem mais

Por seu turno Gladson também não deseja que Alan Rick se transforme em seu vice, pois isso prejudicaria o compromisso do candidato majoritário do PP com o MDB de Flaviano. Por outro lado, enfraquecer Vagner ajuda a reeleição de Flaviano. Affff !!! Isso tudo dá um nó na cabeça da gente, hein?

Xadrez da oposição um

O jogo é bruto, não é nada amigável e tampouco transparente: Gladson precisa remover pedras do caminho, por isso vai operando através de terceiros. Ilderlei está solapando as bases eleitorais de Vagner, que são as fundações dos votos de sua filha Jessica. Mas nisso tudo tem Flaviano, que teme perder espaço, por isso que a engenharia esquisita tem sua razão de ser. E Alan Rick? Ora pois, pois, pois… Quem?

Xadrez da oposição dois

Ulisses, o nada modesto, já foi devidamente deletado do jogo majoritário, e assim lhe restará sair candidato a uma vaga na Aleac. A questão da vice de Gladson segue sendo tocada do jeito do Gladson, seja lá o que isso queira significar.

Xadrez da oposição três

A questão das vagas para federal está em andamento para um desfecho de morte para algumas pretensões políticas. No fim dessa caminhada haverá choro, ranger de dentes e alguns atores rifados da disputa eleitoral.

Xadrez da oposição quatro

A questão da disputa para o Senado Federal já está bem encaminhada pela oposição. Com Bittar abatido antes do começo da disputa, o acordo com o PSD de Petecão está sendo costurado com maior tranquilidade – para Gladson, o MDB e o PSDB. Neste quesito, o vazamento das falas de Bittar foi uma mão na roda para todos, afinal ninguém queria mesmo ter Bittar candidato ao Senado. No fim das contas, a candidatura dele acabou por “morte morrida”.

Xadrez da oposição cinco

Bittar fora do jogo do Senado abre as comportas para outros acordos possíveis, envolvendo inclusive certos setores que estavam fora das jogadas. A sangria diminuiu, é possível que a oposição saia com Mara Rocha como uma segunda via, mas não é tão provável, dada a desconfiança que todos têm com o clã do Rocha.

Nota à imprensa

A prefeita de Brasileia, Fernanda Hassem (PT), respondeu às acusações que lhe foram imputadas por veículos de comunicação do Estado. Segundo a nota enviada à imprensa, a prefeita “lamenta o vazamento indiscriminado de fatos oriundos de feito judicial que sequer conta com a primeira análise do Magistrado competente, o que raras vezes resulta em julgamentos injustos e precipitados” e reafirma “sua conduta de gestão aberta e transparente”, sendo sempre solícita a atender a todo pedido de informações requeridas pelo Ministério Público Estadual (…)”.

Nada ilegal

Diz ainda o texto a cessão de servidores pelo Estado do Acre ao município de Brasileia “nada tem de ilegal, conquanto foram realizadas formal e publicamente por atos próprios do poder concedente”.

Contraponto

A nota desmente a alegação de que as referidas cessões teriam trazido prejuízo aos cofres públicos do município, antes incorrendo em “economia”, já que os servidores cedidos são remunerados pelo poder público estadual.

‘Extrapolo’

A assessoria jurídica de Fernanda Hassem condenou ainda o que chama de “extrapolo dos pedidos realizados pelo promotor de Justiça, ao requerer bloqueio de bens sem o menor vislumbre do alegado desvio de verbas públicas, ao tempo em que de forma extremamente genérica e infundada pede o afastamento cautelar da prefeita”.