Comissão de Direitos Humanos da Aleac recebe vereadores de Feijó

Eles foram à casa legislativa em busca de apoio para resolver problemas relacionados ao presídio da cidade – Foto: Cedida

A presidente da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do Acre (Aleac), deputada Eliane Sinhasique (MDB), se reuniu na manhã desta quarta-feira (11), com uma comissão de vereadores de Feijó. Eles vieram à casa legislativa em busca de apoio dos parlamentares para resolver os problemas relacionados ao presídio do município.

O vereador Zé Maria (PSDB) relatou que a unidade prisional de Feijó enfrenta problemas sérios de superlotação. “O quartel de Feijó virou uma penitenciária de uma hora para outra. O lugar é pequeno e os presos ficam num local que não tem estrutura alguma. Além da superlotação, os detentos se encontram em condições precárias, alguns apresentam problemas de saúde com necessidade de remédio controlado”, disse.

A falta de mais defensores públicos na cidade é outro problema grave, de acordo com Zé Maria. “Há muitos processos pendentes para serem analisados. Apenas um defensor público não dá conta de atender a grande demanda. Peço que o Poder Legislativo interceda junto às autoridades competentes para solucionar esses problemas. O quartel da PM onde atualmente funciona o presídio não tem segurança nenhuma. Tem presos perigosos de outros estados lá, o local fica próximo a três escolas, se houver uma rebelião eu nem sei o que pode acontecer com as nossas crianças”, complementou.

O vereador apresentou ainda um abaixo-assinado contendo mais de 70 assinaturas de mães, esposas e parentes dos detentos daquela unidade prisional.

Após ouvir o relato dos vereadores, Eliane Sinhasique garantiu que após o recesso de julho, providenciará uma visita ao presídio de Feijó, juntamente com membros da Comissão de Segurança da Aleac. “Hoje mesmo vou tornar essa reivindicação de vocês pública, falarei dessa situação na tribuna. Também vou me reunir com a Comissão de Segurança desta casa para combinar uma possível vistoria na volta do recesso. Não é algo simples, pois existem as burocracias. Mas nós vamos tentar resolver esse problema junto aos órgãos competentes”, disse a parlamentar.

Agência Aleac