Aluna com Síndrome de Down da Apae é contratada por rede de supermercado da capital; iniciativa de inclusão é inédita no Estado

Larissa trabalha no supermercado desde maio deste ano. A iniciativa serve de exemplo, e comprova que mesmo com limitações, todos podem supera desafios

Dell Pinheiro* – A inclusão de pessoas com deficiência por meio do mercado de trabalho, é um dos principais mecanismos de socialização. A relação com outras pessoas, que não sejam de sua família, também é fundamental para a formação intelectual, além de outros fatores comportamentais que ajudam no desenvolvimento. Em Rio Branco, uma rede de supermercados, apostando no potencial desse público, contratou em maio deste ano, Larissa Araújo, com Síndrome de Down, e aluna da Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais (Apae). A iniciativa, até então inédita no setor privado, serve de exemplo, e comprova que mesmo com limitações, todos podem supera desafios.

A funcionária pública, Valda Maria de Araújo, mãe de Larissa, comentou que o comportamento da filha mudou após ser contratada para exercer a função de embaladora. “Foi uma surpresa quando fui avisada que a Larissa foi chamada para esse emprego. Nunca imaginei que a minha filha fosse inserida no mercado de trabalho, principalmente em um supermercado, onde o fluxo de pessoas é intenso. Sempre fui mito protetora e sempre tive receio em deixá-la “sozinha”. Já são cinco meses de trabalho, e Larissa me surpreendi com a sua superação diária”.

Maria falou que a filha ficou mais independente. “Ela que fazer coisas que antes não fazia. Ela não que nem mesmo que alguém da família vá buscá-la na parada de ônibus quando retorna do trabalho.  Todos os dias ela conhece pessoas novas, vejo que tudo isso está sendo importante na mudança de comportamento dela. Na escola também ocorreu pontos positivos. Antes, ela era acanhada e quase não conversava com os colegas de sala, agora ela já interagem e participa de todas as atividades educativas. Larissa é muito tímida, mas está superando isso”.

Jônatã Zancarrato, gestor de Recursos Humanos, disse que a iniciativa de incluir esse público no mercado de trabalho, já está sendo desenvolvido desde a inauguração supermercado. “Não só o setor de Recursos Humanos, como toda a diretoria, apoia essa questão da inclusão social das pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Muitas vezes essas pessoas só precisam de uma oportunidade para mostrar o que sabem fazer. Aqui no supermercado não diferenciamos esse público; tratamos eles com igualdade. Esse e um desafio, porém estamos tendo bons resultados”.

Larissa trabalha no supermercado desde maio deste ano. “Não sabíamos como ela iria reagir quando começou a exerce a sua profissão, porque a pessoa com Síndrome de Down é novidade no mercado de trabalho. No início, Larissa era muito tímida e conversa muito pouco. Então, tínhamos um certo receio em deixá-la sozinha trabalhando. Com o passar do tempo, com apenas um mês de trabalho, ela já apresentou melhorias no comportamento. Nas rapas do supermercado ela precisava da ajuda de alguém; agora já sobe e desce sorrindo. Os colegas de trabalho tem um cuidado com ela. Isso tudo é muito bom, essa parceria também com os colaboradores é importante. As pessoas com deficiência muitas vezes são excluídas da sociedade, só que não pensamos dessa forma. Damos oportunidade para esse público porque achamos que eles têm muito a oferecer”, ressaltou Zancarrato.

dell.81@hotmail.com