Sem governo nem oposição, país à deriva navega para o desastre anunciado

Ricardo Kotscho

Fim de Carnaval, acabou a fantasia, faz-se silêncio nas ruas, voltamos à medíocre rotina.

Logo passa o barulho provocado pelo vídeo escatológico do capitão, como prevê o general Mourão, que já enterrou o assunto: “Tudo passa”.

O que não passa é a sensação que vivemos num país sem governo e sem oposição, navegando para o desastre anunciado desde a campanha eleitoral.

Nada deveria nos surpreender ao entregar o país nas mãos de um alucinado, que desfilou suas loucuras durante 30 anos pelo Congresso Nacional, depois de ser desligado pelo Exército.

Que estarão pensando agora os generais e os donos do dinheiro que bancaram os delírios do indisciplinado tenente reformado como capitão, sabendo de quem se tratava?

Como se sentem os que votaram no Mito ou nulo ou em branco para derrotar o demônio do PT, um pacato professor que não assustava ninguém?

Estarão todos felizes agora?

De nada adianta tirar o celular das mãos dele, porque os filhos continuam soltos por aí, desafiando o Brasil que ainda não entregou os pontos.

Loucuras à parte, o fato é que não temos mais um governo para gerir o Estado, só levando tudo no vai da valsa, deixando o país no salve-se quem puder.

A oposição sumiu, por absoluta inutilidade, já que o governo é o maior adversário dele mesmo.

Ainda o maior partido de esquerda do país, o PT segue no mesmo passo, consumido-se em disputas internas, para ver quem fica com a massa falida.

E o que sobrou? Com o PDT. O PSB e o PCdo B sem saber para onde vão, coxeando o alambrado, como dizia Brizola, resta apenas o franco atirador Ciro Gomes, agora em busca de um discurso que não seja nem de direita nem de esquerda, muito pelo contrário.

Antes do jogo começar para valer, o PSL bolsonarista já está se liquefazendo como a barragem de Brumadinho, com o Centrão de olho no butim, como de costume.

Até as “bancadas temáticas” do BBB (bola, bíblia e boi), contempladas com cargos no governo, parecem perdidas sem saber o que fazer com as reformas.

Sem partidos e sem lideranças, o Congresso Nacional a tudo assiste bestificado, assim como a sociedade civil, que demora a acordar do sono profundo dos últimos anos.

Nem se fala mais em movimentos sociais, mobilizações, resistência ao horror, que se aproxima cada dia mais, nos tuítes disparados a esmo do Palácio do Planalto.

Fica todo mundo tentando descobrir qual é a estratégia dos militares arrastados com prazer para o centro da cena política, mas eles estão na encolha.

Quem é que hoje poder falar com autoridade pelo governo ou pela oposição para levantar uma bandeira qualquer ou indicar um norte que nos desvie do caos para onde navegamos?

Depois do Carnaval, restou um imenso vazio neste deserto de homens e ideias em que nos transformamos, apenas reagindo no varejo aos fatos mais escabrosos.

No dia seguinte, todo mundo esquece, à espera do próximo escândalo, que sempre supera o anterior.

E ainda não descobriram quem mandou matar e quem matou Marielle, quase um ano após o bárbaro crime, que abriu a temporada de execuções a sangue frio.

Misturam-se milícias e laranjas no mesmo balaio, os governadores eleitos fingem-se de mortos, os três poderes parecem amancebados e nada se vislumbra no horizonte capaz de dar alguma esperança.

A tal da “nova política” logo se revelou uma fraude, uma contrafação tosca e ignara da velha, adaptado-se rapidamente à nova ordem unida.

A cada dia que passa, mais voltamos para trás, fazendo lembrar dos tempos mais sombrios da nossa história.

É o que temos para o momento na ressaca da folia.

Nestes dias cinzentos, cheios de incertezas, a única boa notícia foi a vitória da Mangueira, jogando na cara dos donos do poder a nossa verdadeira história, feita de heróis anônimos, até hoje tentando escapar da escravidão.

Vida que segue.

Jornalista

Fonte: https://www.balaiodokotscho.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *