Secretário de Polícia Civil reassume cargo após mais de um mês afastado

Rêmullo Diniz reassumiu a pasta no dia 1º deste mês. Secretário disse que processo contra ele foi arquivado – Foto: Reprodução/Rede Amazônica Acre

O secretário de Polícia Civil do Acre, Rêmullo Diniz, reassumiu o cargo após quase um mês afastado. Diniz estava afastado desde o dia 30 de janeiro, após a mídia divulgar que ele tinha envolvimento facções criminosas.

O secretário confirmou que voltou à pasta no dia 1º deste mês. O delegado Getúlio Teixeira estava à frente da secretaria desde o afastamento de Diniz. O secretário havia sido afastado após um site de repercussão nacional apontar que ele seria investigado por ter ligação com um grupo criminoso que atua no estado.

Diniz fez uma coletiva, na época, e afirmou que tudo não passou de uma tentativa de derrubá-lo do cargo de secretário. Ele alegou que nenhum ato de abuso de autoridade foi praticado por ele e também não houve ingerência.

“Voltei, graças a Deus. Não tinha investigação, eu que pedi para abrir, nenhum ato foi considerado irregular. Houve o arquivamento de tudo”, complementou.

Caso

No dia 31 de janeiro dois dos quatro delegados responsáveis pelas investigações da Operação Sicário explicaram que as ações iniciaram em abril do ano passado e que Diniz não aparecia no processo ligado a organização criminosa, mas sim como interlocutor entre umas das interceptações com o tenente do Bope Josemar Farias, que está preso suspeito de envolvimento com facções.

No dia 1 de fevereiro, a Justiça do Acre autorizou que o Ministério Público (MP-AC) e a Corregedoria de Polícia Civil investigassem possíveis atos ilícitos e de conduta do secretário. Segundo Diniz, não houve comprovação de nenhuma infração dele.

“O juiz e promotor mandaram encaminhar para a corregedoria para que se entendesse que existia alguma coisa, que instaurasse [inquérito]. Foi instaurado procedimento, aberto inquérito a meu pedido, ouvido todo mundo e entendido que não existia nenhuma prática criminosa”, destacou.

Durante as investigações, Diniz ainda não era secretário de Polícia Civil, mas respondia pela Delegacia de Homicídio e Proteção à Pessoa (DHHP), cargo que ocupou até o final de 2018.

O delegado Sérgio Lopes – um dos responsáveis pela operação – disse, na época, que conforme as investigações iam avançado, foi possível confirmar que o tenente do Bope protegia e promovia o crime organizado de um determinado grupo na capital e também interior.

Entre as diversas interceptações, autorizadas pela Justiça, Farias aparecia conversando com o delegado e, nesses diálogos, segundo Lopes, teriam sido constatadas algumas infrações penais.

“Não houve nenhuma ingerência minha. Os fatos foram colhidos de forma premeditada e pensada. Estou tranquilo, retornei, não tenho preocupação quanto a minha postura, me preocupo com a instituição. O que me interessa é a justiça, e já foi feita”, declarou Diniz.

Operação Sicário

Um dia após o governo do Acre afastar o secretário, os delegados responsáveis pela Operação Sicário explicaram como decorreram as investigações, que identificou 23 pessoas envolvidas no crime organizado no estado, entre elas o tenente do Bope Josemar Farias.

Dois dos quatro delegados responsáveis pela Operação Sicário explicaram que as ações iniciaram em abril do ano passado. Segundo eles, Diniz não aparece no processo ligado a organização criminosa, mas sim como interlocutor entre umas das interceptações com o tenente Farias.

Portal G1/AC

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *