Sebrae no Acre promove debate sobre feminicídio e violência contra a mulher

Ação faz parte da campanha “Não à violência disfarçada de amor” e reuniu colaboradores em Talk Show com especialistas – Fotos: Assessoria Sebrae

O feminicídio e a violência contra a mulher são assuntos que devem ser tratados com urgência em nossa sociedade. De acordo com dados divulgados pelo portal de notícias G1, em parceria com o Núcleo de Estudos da Violência da USP e com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, o Acre foi o estado com o maior índice de feminicídio do país no ano de 2018. A cada 100 mil mulheres 3,2 foram mortas em crimes de ódio motivados pelo gênero.

Para debater sobre o assunto, o Sebrae no Acre lançou a campanha “Não à violência disfarçada de amor”, promovendo a discussão entre seus clientes e colaboradores. Na última segunda-feira, 11, ocorreu o talk show “Feminicídio e a Violência contra a Mulher”, que contou a presença da advogada Isnailda Gondim, Presidente da Comissão da Mulher Advogada da OAB Acre e Coordenadora Estadual de Políticas Públicas para Mulheres, da psicóloga Lenira Pontes, e da empreendedora Iris Tavares.

A ação reuniu os colaboradores para discutir sobre os temas com as especialistas. “É importante trazermos informação no ambiente de trabalho, já que a violência começa de forma sutil e muitas vezes a própria mulher não sabe que está sofrendo algum tipo de abuso. É importante ver essa atitude do Sebrae em trazer informação para as colaboradoras, para que elas consigam identificar se estão em relacionamentos abusivos ou saudáveis”, comenta Isnailda.

Mesmo que a violência seja doméstica, ocorrendo em âmbito familiar, isso acaba trazendo consequências para a carreira profissional feminina, já que o abuso sofrido desestabiliza emocionalmente a mulher. É preciso estar atento para reconhecer se alguém do seu ambiente profissional sofre algum tipo de violência e aprender a intervir de forma correta. É o que afirma a psicóloga Lenira Pontes. “É preciso dar crédito às vozes que denunciam, pois temos inúmeros casos em que a mulher é levada a culpabilização e ao descrédito. A comunidade ainda é movida por uma cultura cheia de rótulos, mitos e preconceitos que muitas vezes faz com que a vítima sinta vergonha e acaba não querendo externar aquilo que está vivenciando”.

Ação reuniu os colaboradores para discutir sobre os temas com as especialistas

A empresária Iris Tavares também participou da conversa e contou um pouco sobre sua jornada empreendedora, mostrando como o empreendedorismo foi o meio encontrado para melhorar sua condição de vida. “Sempre fui com garra, acreditando que poderia vencer. Quando a palavra empreendedorismo surgiu eu gostei muito dela, porque ela diminuía a distância dos meus sonhos. Eu posso empreender e ser empoderada através do meu trabalho”, afirma Iris.

A campanha faz parte de uma ação do Programa Qualidade de Vida, que tem o intuito de fornecer aos colaboradores da instituição melhores condições de trabalho. Trazer um assunto de cunho social para dentro da casa mostra a preocupação da diretoria em proporcionar debates para otimizar as relações dentro da empresa. “É preciso esclarecer e orientar os colaboradores e reforçar que devemos tratar a mulher com respeito e com carinho”, finaliza Marcos Lameira, Diretor-Superintendente do Sebrae no Acre.

Assessoria Sebrae

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *