Rocha diz que Ulysses teve carreira “turbinada pelo PT” e coronel rebate: “continuam nomeando petista”

Vice-governador insinua desonestidade do oficial e diz que ele enricou como empresário, indo inclusive para os EUA – Foto: Reprodução Contilnet

Companheiros de armas e colegas de farda no Exército e depois como oficiais da Polícia Militar do Acre, Major Rocha, atual vice-governador do Estado, e o coronel Ulysses Araújo, candidato derrotado ao Governo nas eleições de 2018 (ficou em terceiro lugar numa disputa de três postulantes), estão em pé de guerra. Rocha disse em sua página no Facebook, sem abrir mão do estilo beligerante que o fez conhecido mas sem citar o nome do coronel – a quem tratou apenas por o “entrevistado” -, que Ulysses Araújo é um oportunista que enriqueceu nos governos do PT e que construiu sua carreira de oficial, inclusive com cursos no exterior, às custas do petismo, enquanto o coronel, através do ContilNet, revidou dizendo que não briga para o andar de baixo e que as críticas que fez foi ao Governo e ao governador e não a ele, Rocha, “que é apenas vice”.

O que faz a refrega dos dois oficiais algo singular é que, por contemporâneos, se conhecem profundamente, pessoal e profissionalmente, do que depreende-se que falam a verdade, mesmo quando descem a níveis baixos e surpreendentes em se tratando de duas autoridades de alta patente militar e dignatários de milhares de votos da população acreana.

“Não me dirigi a ele, mas se a carapuça serviu a ele, não posso fazer nada”, disse Ulysses Araújo, em entrevista exclusiva ao ContilNet, ressaltando que, na verdade, nem críticas ao governo fez. “O que eu disse – o que causou a indignação e a resposta dura de Rocha – foi o que eu faria se tivesse sido eleito governador. Só isso”, acrescentou Ulysses.

Na sua publicação, Major Rocha foi na jugular do antigo colega: “(…) parece alguém que ainda não desceu do palanque e parece estar confundindo a eleição para a Prefeitura de Rio Branco como uma espécie de terceiro turno da eleição passada. O interessante é que se houvesse o segundo turno na eleição de 2018 ele não participaria”.

E acrescentou o vice-governador: “o único ponto que entendo ser correto foi a onda antipetista no resultado da eleição. Mesmo tendo o candidato a presidente mais antipetista do pleito, não conseguiu surfar nesta onda”. Para o vice-governador, o coronel que sonhou ser governador do Estado em 2018 e que já colocou seu nome como possível candidato a prefeito de Rio Branco teve sua carreira “turbinada pelo PT, onde ocupou cargo que foram (sic) da antessala do governador Jorge Viana, até uma subsecretaria no governo de Tião (Viana)”.

De acordo com Rocha, coronel Ulysses Araújo, que é sócio proprietário de uma empresa de segurança que teve contratos com os governos petistas, construiu sua vida empresarial sob bênçãos dos irmãos Vianas. “Isso sem falar nos quase 2 anos que passou nos EUA, fazendo o que mesmo¿”. Segundo ele, quem quiser procurar os planos de Governo apresentados pelas diversas candidaturas do PT, lá estará a assinatura do entrevistado como colaborador, especialista em segurança pública. “Ele assinou até mesmo o plano de Governo de Tião Viana, quando a segurança viveu seu pior momento”, disse o vice-governador.

Major Rocha diz ainda que a candidatura de Ulysses Araújo em 2018 não foi séria, apenas um “fake político” para tentar um segundo turno, o que poderia vir a facilitar a vida do PT, com a chance de Marcus Alexandre de se eleger. “Uma estratégia interessante que só não teve sucesso por conta da cara de petista que o mesmo não conseguiu disfarçar”, disse.

O vice-governador afirmou, sobre as críticas ao atual governo feitas por Ulysses Araújo, não ter a pretensão de corrigir, em pouco mais de 60 dias de administração, aquilo que foi destruído num desgoverno de 20 anos. “Outro dia usei a analogia de um carro de fórmula um, que alcança a velocidade de 400 quilômetros por hora, mas que começa a corrida do zero. Vamos chegar lá, vamos fazer um bom governo, vamos reconstruir parte do que foi destruído nas gestões anteriores, mesmo com a torcida contrária dos que se lambuzaram com os governos do PT e hoje tentam esconder o passado para posar de críticos do mundo”, disse o vice.

Mais econômico nas palavras, Ulysses Araújo disse ter vistos as críticas do vice-governador e reafirmou que não se dirigiu a ele, mas, no entanto, como fora ele que se ofendera, o responderia dizendo que há muito tempo se afastara do PT e de seus governos. “Pelo que sei quem não consegue se livrar do PT pé eles, do governo. O povo votou para se livrar do PT mas quem continua nomeando petistas para o governo são eles”, disse Ulysses.

Agência Contilnet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *