‘Rei de Recopas’: Grêmio vence Independiente nos pênaltis e é campeão

O Grêmio conquistou nesta quarta-feira seu segundo título da Recopa Sul-Americana na história ao superar o Independiente, mesmo adversário da conquista de 22 anos atrás, desta vez com uma vitória nos pênaltis por 5 a 4, após empate sem gols em 120 minutos.

Conhecido como ‘Rei de Copas’ por ser o maior vencedor da história da Taça Libertadores, com sete triunfos, o time argentino, que disputou a Recopa por ser o atual campeão da Sul-Americana, resistiu mesmo depois de ter ficado com um homem a menos ainda no primeiro tempo. Amorebieta foi expulso com auxílio do árbitro de vídeo.

Silvio Avila/EFE

O Imortal, que ficou com o troféu da última Libertadores, não demonstrou poder de fogo mesmo com a vantagem numérica e ainda esbarrou na boa atuação do goleiro Campaña. Nas penalidades, porém, quem resolveu foi o outro arqueiro, Marcelo Grohe, que pegou a cobrança de Benítez.

A conquista foi bem mais suada que a de 1996. Na ocasião, a equipe então comandada por Luiz Felipe Scolari levou a melhor sobre o ‘Rojo’ em partida única, disputada na cidade japonesa de Kobe, com uma goleada por 4 a 1.

Com o título, a equipe gaúcha igualou São Paulo o (1993 e 1994) e o rival Internacional (2007 e 2011) como os brasileiros com o maior número de títulos da competição. Santos (2012), Corinthians (2013) e Atlético-MG também já deram a volta olímpica.

O Tricolor teve dois desfalques no meio-campo, Arthur, que não atua desde a partida do título da Libertadores, em dezembro, e Ramiro, suspenso por ter sido expulso justamente na partida do tri continental.

No ‘Rojo’, que voltou ao Brasil pela primeira vez desde que foi campeão da Sul-Americana, no Maracanã, há pouco mais de dois meses, o técnico Ariel Holan não pôde contar com sua referência na frente, o atacante Gigliotti, expulso no primeiro duelo, na Argentina.

Por muito pouco, a equipe anfitriã não abriu o placar logo aos sete minutos do primeiro tempo. Alisson recebeu de Luan e passou para Everton, que driblou o goleiro e concluiu. Amorebieta, de carrinho, evitou que a bola entrasse.

A resposta dos visitantes foi dada ao dez, com duas tentativas de Fernández. O atacante bateu forte, Marcelo Grohe deu rebote e o próprio camisa 11 se preparou para chutar de novo, mas foi atrapalhado por Maicon e mandou para fora.

O Grêmio tinha mais a bola, mas o Independiente finalizava com mais perigo. Aos 17 minutos, Meza arriscou da entrada da área e tirou tinta da trave. Mais tarde, aos 26, em falta colocada, Fernández também assustou.

Sem muito espaço para chegar à área adversária tocando, o Imortal tentou em jogada treinada por Renato Gaúcho que teve início na defesa. Aos 37, Pedro Geromel bateu falta lançando, Cícero resvalou de cabeça e Luan apareceu livre emendando de primeira, mas errou o alvo.

Ainda antes do intervalo, aos 42, a equipe argentina ficou com um homem a menos. Amorebieta acertou Luan e, com ajuda do árbitro de vídeo, o árbitro Enrique Cáceres mostrou cartão vermelho para o zagueiro do Independiente. Com dez, Holan se viu obrigado a sacar Fernández, seu homem mais perigoso até então, e trocá-lo por Figal.

Com um homem a mais, o time da casa foi para cima em busca de um gol o mais cedo possível. Logo aos dois minutos, Everton levou da esquerda para o meio e soltou a bomba, mas Campaña segurou. Em seguida, aos oito, o camisa 11 gremista pegou a sobra após passe para Alisson e parou no milagre do goleiro adversário.

Renato não quis esperar pela prorrogação e colocou o Tricolor para cima, com o centroavante Jael em lugar do volante Jailson. Mas a tentativa seguinte, aos 18, foi de Alisson, que carimbou a zaga após cruzamento de Paulo Miranda.

Cinco minutos depois, o atacante “cruel”, em seu primeiro arremate, recebeu de Everton e soltou uma bomba. Campaña espalmou no susto, mas nem o próprio Everton nem Luan conseguiram ficar com a sobra.

Com o passar do tempo, o ritmo do Grêmio caiu, e o Independiente foi “cozinhando” a partida. Uma nova investida mais forte do atual campeão da Libertadores aconteceu apenas aos 34, com Jael, que “disputou” com a Alisson e bateu pela linha de fundo.

Jael ia sendo o grande defensor do ‘Rojo’, já que matava os ataques dos donos da casa. Aos 41, Geromel curtiu uma de ponta e cruzou para o centroavante, que chutou torto.

Com a pontaria mais calibrada, o camisa 9 teve a melhor chance do primeiro tempo da prorrogação, logo aos cinco minutos. Maicosuel, outro a ter começado no banco, colocou na cabeça do atacante, que carimbou o travessão.

Mesmo com um a menos, o Independiente levou algum perigo. Aos 11, Paulo Miranda errou na saída de bola, Benítez chutou mal e ainda teve uma segunda oportunidade, em passe de Meza na sobra, mas cometeu falta em Kannemann.

A esperada pressão do Imortal devido a vantagem numérica enfim aconteceu na segunda etapa do tempo extra. Aos três minutos, Jael bateu falta e contou com desvio na barreira, mas Campaña se recuperou e defendeu. Aos quatro, Maicosuel tabelou com o próprio ‘Cruel’ e acertou o marcador.

O ‘Mago’, contratado recentemente junto ao São Paulo, poderia ter evitado a disputa de pênaltis aos 14 minutos, em arremate cruzado, mas o goleiro adversário não deixou, espalmando para o lado.

Nas penalidades, as nove primeiras cobranças foram convertidas. Até que na décima, a quinta a favor do Independiente, Marcelo Grohe saltou no canto certo, espalmou o chute de Benítez e garantiu o bi da Recopa para o Grêmio.

 

Agencia EFE